Translate

05/11/2010

Sintomas Borderline (Resumo)

O borderline vive nos extremos. 
Ou gosta ou detesta. 
Ou é 8 ou 80.
A moderação passa longe do cotidiano do border.

O humor oscila temerosa e drasticamente.
Em um minuto está feliz e no minuto seguinte mortalmente triste.
Sendo que muitas vezes, sem um motivo aparente.
Suas emoções são como uma roleta russa.

Tem dificuldades em enxergar as pessoas como "um todo".
Ou enxerga suas qualidades ou seus defeitos.
Normalmente as vê como anjos ou como demônios.
Sendo que essa definição varia de acordo com a atitude da pessoa em relação ao borderline. 

Da mesma forma pode se sentir sobre si mesmo.
Totalmente digno de valor e reconhecimento num momento e merecedor de desprezo ou até da morte no momento seguinte.

O border tem pavor a rejeição e/ou ao abandono.
Para ser aceito, pode se sujeitar a fazer qualquer coisa.

Extremamente sensível, uma pequena advertência ou crítica pode levá-lo a agressividade emocional ou física.

Possui extrema dificuldade em lidar com um problema.
Normalmente não consegue enxergar várias alternativas para a solução do mesmo.

Apesar de sempre precisar de um cuidador, normalmente não é muito sociável, dando preferência ao isolamento na maior parte do tempo.
Daí a dificuldade em viver em grupo.

Desiste muito facilmente diante de quaisquer dificuldades e desventuras.
Um grão de areia pode se tornar um obstáculo montanhoso para um border.

Se culpa por ser diferente.
E quando a culpa pesa demais, joga-a no seu cuidador ou familiar mais próximo.
Cultiva o auto-ódio que se reflete aos que estão ao seu redor.

Quando o border diz que te odeia, ele não quer dizer isso, na verdade.
Ele quer dizer que odeia aquela situação presente da qual você participa, muitas vezes involuntariamente.

Das coisas mais simples às mais importantes.
Seja dar continuidade a um livro, um curso ou até mesmo a um relacionamento.
Esse comportamento pode erroneamente rotular o border de preguiçoso.

O borderline está sempre insatisfeito e com uma sensação enorme de vazio.
Nada o preenche. 
Perde o interesse nas coisas com muita rapidez.

A compulsão também pode estar entre os sintomas de um borderline.
Seja ela por compras, sexo ou drogas, entre outras.

Muitas vezes, o borderline apresenta distúrbios alimentares.


Variando entre a anorexia, bulimia e compulsão alimentar.

Pode vivenciar momentos de despersonalização e/ou dissociação.
Em alguns casos mais graves surge a paranóia.

Costuma ter falhas na memória.

Apresenta dificuldade em ter uma identidade própria.
Normalmente se espelha na personalidade daquele com quem convive intimamente.

Por se auto-desprezar, o borderline tem tendência à auto-mutilação.
A auto-mutilação inclui não apenas machucaduras feitas com objetos cortantes mas também outras atividades que representem um perigo para si próprio, tais como praticar o sexo inseguro e dirigir inconsequentemente.

Por normalmente cultivar uma baixíssima auto-estima, é propenso a sufocar demonstrações de afeto.

O borderline, muitas vezes, dá a impressão de ser uma pessoa com um coração de pedra. 
Mas ao contrário do que parece, o coração do border é de carne, mas não tem pele e tal qual, sangra ao mais leve toque.
Wally elsissy

25 comentários:

B. disse...

Viver assim é bastante difícil! Ainda tenho que confirmar meu diagnóstico com um psiquiatra, mas não tenho dúvidas de que sou borderline.

Anônimo disse...

Reaalmente é um quadro pós Freud, contemporãneo, onde tudo chega derepente, e muitas das vezes se criua as confusões mentais, sem quais quer tipo de uma postura familiar adequada para esse no cser que também tem priori denstro e fora da sociedade, mas por não te ainda caminhos mais concretos, a forma éficaz, é sempre a psiquiatria, que logo passa remédios para amenizar, digamos assim o sofrimeneto do borderline. texto muito relevante, maravilhoso, parabéns!Wally

Reflexões Borderline disse...

Obrigada, Anônimo :)
Fico muito feliz em saber que esses posts servem de ajuda a outros.

Anônimo disse...

Olá! Vejo esse blog há um tempo. Uma amiga me indicou pq identificou em mim esse transtorno. Bom, eu me casei há pouco mais de 4 anos, depois de uma infância completamente conturbada, onde todos erravam e se magoavam mas eu tinha q cuidar de todos e ser perfeita. Logo nos primeiros meses de casada, eu comecei a me isolar. Depois de um "tentativa de suicídio" me internaram num hospital psiquiatrico por 30 dias. Passei a tomar varios remédios, antidepressivos, antipsicoticos e estabilizadores de humor. Depois de 2 meses de tratamento engordei 15 quilos e resolvi parar por conta propria. emagreci os 15 quilos em menos tempo q engordei. Hj em dia ainda me corto,mas convenço meu marido a nao contar pra ninguém. Estou me sentindo perdida. Queria muito voltar ao psiquiatra só pra ter um especialista dizendo pras pessoas q eu tenho sim esse transtorno, já q não acreditam nem na minha depressão, pra eles é frescura. Mas estou com um medo enorme de ele me dizer q não tenho esse transtorno. Se não tenho, pq sou assim? Não sei o q fazer. Se puderem me ajudar seria ótimo. Obrigada e parabéns pelos posts. são de muita ajuda.

Wally disse...

Minha querida,
Tente não se preocupar com um diagnóstico nesse momento.
Porque pense assim:
Se o médico achar que você não é borderline, ele vai achar que você tem algum outro transtorno, porque pelo que você descreveu aqui, isso é evidente.
O importante é você não ocultar NADA do psiquiatra. Se vc acha que pode esquecer algum detalhe importante, ANOTE e leve o papel para a consulta.

Conte da internação, da tentativa de suicídio e dos cortes..
Conte tudo.

Cabe a você achar se deve ou não dizer a ele que se identificou com os sintomas do TPB.

O importante é você dar início a um tratamento urgentemente.
Se dentro de 6 meses, seguindo as orientações do psiquiatra, e consultando-o mensalmente, você não ver nenhuma melhora, então você deve procurar um outro médico.

Eles são humanos, portanto não são perfeitos.
São falhos também.

O que não podemos fazer é desistir!!!
Por favor, agende uma consulta o quanto antes.

abraços

Anônimo disse...

Mas eu me tratei por 2 anos e os resultados foram piores do q eu esperava. E agora estou num relacionamento com outra mulher, sem o conhecimento de ninguém e me sinto extremamente ligada à ela, uma dependencia sem limites. Se eu for ao psiquiatra vou ter q contar q esse é um dos motivos da recente piora e tenho medo de ele contar ao meu marido. Já deixei minha religião por ela, religião q a propósito é rigida demais e me fez exigir perfeição de mim mesma todos esses anos. Tenho medo de q se ele descobrir tudo vou perder meu lar tbm. Não tenho mais nada já q sempre me apoiei nessa fé. Agora todos me viraram as costas, inclusive minha familia. Ai não estou nada bem hj, queria desaparecer. Tenho medo de estardestruindo minha vida e a de outras pessoas tbm.

Wally disse...

Na verdade ele NÃO pode contar nada pra ninguém.
O psiquiatra, digo.
Você está protegida pelo sigilo profissional.
Lembro que um psiquiatra meu antigo chegou a atender um psicopata criminoso que matava crianças na minha cidade e ele NÃO PODE dar dicas para a polícia.

Mas.... se você não se sente segura pra contar sobre esse relacionamento, não conte.
Esse é o fator menos importante, na minha opinião.
O que você não pode deixar de contar em hipótese alguma é sobre a tentativa de suicídio, a internação e os cortes.

Um grande abraço

P.S. Também não estou bem hoje. Tive uma briga com meu ex. =(

Wally disse...

Ahhh e sobre seu tratamento não ter dado certo anteriormente, infelizmente é assim mesmo.
São raros os tratamentos que são acertados logo de início.
Eu também sofri bastante até encontrar o tratamento adequado.

Mas não desista!!!

Anônimo disse...

Obrigada pelo apoio. Vou criar coragem e procurar o psiquiatra de novo. Ai como eu queria q a vida não fosse tão dificil.
Bjss

Anônimo disse...

Olá, me identifiquei muito com o blog. Estou casada há 4 anos, tenho 2 filhos lindos, uma de 6 anos e um de 3 meses. Meu marido é maravilhoso, mas mesmo assim nunca estou satisfeita. Tenho um ciúmes doentio, imagino coisas, vejo-as onde não existe, brigamos todos os dias, seja porque chegou 5 ou 10 minutos atrasados, ou pq chegou 5 ou 10 minutos mais cedo. Tive uma infância muito difícil, e assim foi até a adolecência. Sou muito, mas muito mesmo agressiva, acho q todos ao meu redor estão me enganando, me fazendo de boba, rindo ou comentando sobre mim. É muito difícil, uma hora estou feliz, outra estou completamente nervosa, irritada ou chorosa. Sem contar com os ¨surtos¨ de raiva, e nessa hora eu imagino q tudo só vai se resolver se eu colocar um fim na minha vida. Qdo estou muito irritada, me imagino arrancando os meus cabelos, batendo a cabeça na parede até sangrar. Sempre penso no suícidio, mas NUNCA tentei, por amor aos meus filhos. Meu marido e minha filha q tem quase 7 anos sofrem muito com isso, pq eles vêm meus ¨surtos¨. ELe sempre fala para eu procurar ajuda, me ¨tratar¨,sinto q ele está tirando o sarro da minha cara, sinto como se ele estivesse querendo invadir meu espaço, minha vida.
Será q sou borderline?

Wally disse...

Olá, seja bem-vinda!!

É possível sim, que você tenha TPB mas naturalmente que o diagnóstico tem que ser confirmado por um psiquiatra.

Seja como for, independente do diagnóstico, você não está bem. E tem que pensar no que pode fazer para aliviar o seu sofrimento e o sofrimento da sua família, ou seja, buscar ajuda o quanto antes.

Todos esses sintomas podem ser minimizados se tratados apropriadamente.
Quando queremos ver alguém bem, nos esforçamos para acertar no conselho. E provavelmente é isso que seu marido tem feito quando ele sugere que você procure ajuda.

Pense da seguinte maneira:
Ao ficar sem tratamento você estará acrescentando sofrimento após sofrimento à sua vida. Você estará somatizando doenças físicas e cultivando a infelicidade. Porque afinal, como podemos ser felizes assim?

Não deixe isso acontecer com você!!

abraços

Anônimo disse...

Obrigada pelo conselho...É tão bom conversar com quem ¨nos entende¨. Marquei pisiq. hoje. Só estou com medo do meu marido começar a me tratar como louca sabe? Com indiferença....

Anônimo disse...

acabo de crêr que sou um boderline!!
difícil conviver com isso mesmo,
Gostaria que tudo fosse diferente!

Wally disse...

Anonima, como foi sua consulta com o psiquiatra?

Wally disse...

Anonimo, é difícil sim, porém não impossível.
Temos que nos agarrar a uma meta e lutar.

abraços

Anônimo disse...

ola boa noite!pesquisando sobre...borderline encontrei esse blog...que bom que existe pessoas preocupadas cm o proximo..graças a deus ñ tenho esse transtorno..mais descubri que tenho uma sobrinha cm esse problema....imediatamente leveia ao psiquiatra..e ja começou o tratamento...que deus abençoi que ela fique melhor..pq a familia ja nao guenta tanta inrritaçao dela..sem mais fico grata pelos conselhos de vcs!

Srta.Kristen Cullen disse...

Sou border...descobri que era a pouco tempo,e com isso quero dizer descobri que ser com osou tem um nome e pior é uma doença...é um inferno,mas é exatamente assim que acontece.

Michele Rodrigues disse...

Que maravilha ler este artigo. Já faz um tempo que lí uma descrição sobre a personalidade Borderline. Me lembro como se fosse hoje, foi na wikipedia. Conforme ia lendo o texto, ia me reconhecendo em cada frase, em cada linha. Na hora que lí, foi libertador.Me senti bem, por descobrir que meu "jeito errado de ser", era na realidade um problema. Sempre fui criticada,até por mim mesma, por não terminar nada, por não saber o que fazer da vida, por ser agressiva, por ser revoltada, por ser sensível demais ,por ser depressiva, por ser muito transparente na minha dor. Não preciso dizer que minha auto estima era quase nula. Por esse motivo estou sozinha, sem namorar, ou mesmo ficar com alguém, a muito tempo. Não suportaria a dor de perder alguém. Já aconteceu e nunca me recuperei, ficou o trauma. Nunca fui diagnosticada, mas para mim, não é necessário, quem melhor do que eu para me conhecer. Vivi minha vida toda comigo!! Após descobrir o que sou, passei a pesquisar mais. E cada vez mais que leio algo sobre o assunto, mais me descubro. Chego a rir sozinha, quando me deparo com frases como: "O borderline, muitas vezes, dá a impressão de ser uma pessoa com um coração de pedra.
Mas ao contrário do que parece, o coração do border é de carne e osso, mas não tem pele e tal qual, sangra ao mais leve toque." Que lí no texto acima.
Hoje tenho 36 anos,e faz 2 anos, entrei para faculdade de moda. É uma luta me manter estudando,porque as vezes não vejo sentido algum. Mas toda vez que penso em desistir, procuro me lembrar de como me sentia frustrada quando largava algo. E mais, tem tanta gente que torce por mim, não posso decepcionar essas pessoas. Mas digo com sinceridade, não vejo futuro para mim. Vou vivendo cada dia, como os 12 passos dos alcoolicos anonimos. Não costumo fazer planos, no meu caso nunca dá certo. Atualmente estou desempregada, pedi demissão do meu último emprego. Estou pensando em montar minha própria loja virtual, vender minhas criações, mas se isso vai mesmo se concretizar, é um mistério. Me sinto tão bem falando sobre essas coisas, sem máscaras. É difícil conviver com as pessoas, dizer que você não tem certeza sobre nada, que você é confuso mesmo. Depois que descobri o transtorno, eu passei a me aceitar mais, entender que sou assim, não por minha culpa, mas porque sou e ponto. Muito bom encontrar este blog, porque aqui eu posso ser quem eu sou,porque sei que vão me entender.
Isso é só um desabafo, uma forma de dizer para o mundo e para mim que eu me aceito. Estou procurando minha cura.Sozinha!

Wally disse...

Bem-vinda ao ninho querida!
Sinta-se em casa sempre.
Aqui você não está sozinha.
Gostei muito do seu comentário.
Vou publicá-lo em uma nova postagem até o fim de semana, OK?
Abração

Katia disse...

OLÁ,
SOU BORDER E BIPOLAR, TUDO O QUE ESTA ESCRITO ACIMA É EXATAMENTE COMO EU SOU. FUI DIAGNOSTICADA A MENOS DE 1 ANO, ME SINTO MUITO MAL, VIVO DENTRO DE CASA, MAIS NO MEU QUARTO PRECISAMENTE, DETESTO VISITAS NA MINHA CASA, ME INCOMODAM PORMAIS QUE EU OS AME,MAS ME DEIXAM NERVOSA, GOSTO DO SILÊNCIO. ODEIO MINHA VIDA, MINHA CASA, DE VIVER ONDE MORO, SOU DE MINAS E ATUALMENTE MORO NO INTERIOR DE SÃO PAULO. MEU SONHO É VOLTAR, DETESTO AS PESSOAS DESSE LUGAR, SÃO FRIAS COMO DIFUNTO E NADA RECEPTIVAS, AO CONTRARIO DOS MINEIROS. NAS FASES QUE ME SINTO MELHOR FICO COM MENOS RAIVA DE MIM MESMA, ME ODEIO, TEM DIAS QUE NÃO FALO UMA PALAVRA PQ NAO SUPORTO NEM MINHA VOZ. MINHAS FILHAS NÃO ME SUPORTAM MAIS, MEU MARIDO SINTO QUE TA COMIGO POR PENA, E ISSO ME DA MUITO ÓDIO! ALGUMAS COISAS QUE ACONTECERAM COMIGO, COMO CORTES E OUTRAS CISAS,NÃO ME LEMBRO DE TER FEITO. TEM DIAS QUE PASSO EM FRENTE O ESPELHO E NAO ME VEJO, NÃO ME RECONHEÇO. ALÉM DE TUDO ISSO PELA ANSIEDADE SOFRO COM A DEPRESSÃO AGORAFOBIA E SINDROME DO PANICO, QUE SE TORNA INHA VIDA MAIS INSUPORTAVEL AINDA. A UNICA COISA QUE CONSIGO PENSAR EM MORRER, DEIXARIA AS PESSOS EM PAZ. TEM DIAS QUE QUERO CONVERSAR MAS NINGUEM NA MINHA CASA ME DA ATENÇÃO. SOU MUITO DIFICIL EU SEI, E NO MOMENTO ESTOU A PROCURA DE UMA MANEIRA DE MORRER RAPIDO, QUANDO CHEGAREM AQUI ESTAREI MORTA JA, TEM QUE SER ALGO RAPIDO, NAO ME IMPORTA A DOR. SO FICO PENSANDO NA MINHA CACHORRINHA, QUE NÃO SAI DE PERTO DE MIM E SINTO DÓ DELA, POIS TENHO CERTEZA QUE É A UNICA QUE VAI SENTIR MINHA FALTA.
AI CHEGA JA ENCHI DEMAIS QUEM TA LENDO ISSO AQUI! NINGUEM AGUENTA! AH... A PROPÓSITO ODEIO TERAPIA, PROFISSÃO INUTIL, NÃO SERVE PRA NADA, PRA MIM NUNCA SERVIU!
PODE ME CHAMAR DE KA

Ivone disse...

Por favor me ajude. Minha filha de 25 anos esta foi diagnosticada de que faz medicina a quatro anos, depois de um rompimento amoroso um " mostro veio à tona diagnosticado como banderlaine. ela esta tmando um coquetel de medicamentos porque a crise foi muito forte... Minha grande preocupação, é que ela perca o curso de medicina por causa disso, ja que estuda na federal.Anti depressivo, anciolitico e psicótico podem torna-la improdutiva e sem condições de concluir o curso?

Anônimo disse...

Olá, meu irmão tem essas caracteristicas e esse perfil. Está em uma fase que não para de falar e é agressivo a qualquer contrariedade. Parece estar com o pensamento inquieto, viaja de um lugar para outro sem parada e as pessoas tem se afastado dele por estar chato e se achando o máximo. Não sabemos o que fazer mas pensamos em que pode se tratar dessa doença. Ele tem 60 anos, é médico e não temos como ajudá lo já que ele não percebe a doença. Como podemos ajuda lo a querer se tratar? Se não é um border está com certeza com algum tipo de transtorno e abusando de alcool. Podem me orientar como podemos convencê-lo a algum tipo de tratamento? Obrigada,

Anônimo disse...

Me identifiquei muito com o que está escrito no texto.

Anônimo disse...

Me indentifiquei com todos os sintomas e n posso passar em um psicologo oqe eu faço?

Wally Osvanilda disse...

Anonimo, que tal procurar o CAPS da sua cidade?

Postar um comentário

Visitas Recentes

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...