Translate

22/08/2011

Fred & Cuidadora Apaixonada



Da série: Comentários que Merecem Destaque
Comentário feito nessa postagem aqui.

Querida Esperança, ao ler o seu comentário me sensibilizei muito. Sei o que você está sentindo porque vivo intensamente esse sentimento.

Mas te aconselho: você deve parar. Sim, assim como eu "parei" com o meu Fred. Foi uma decisão muito difícil. Porque eu o amo muito. E como li em outro post, eu amo a luz e a sombra dele. Amo cada pedacinho dele. O DNA dele está na minha pele. 

Minha história é emocionante e romântica porque é real e eu não o abandonei. Fico feliz por todos estarem torcendo por nós. O Fred postou uma declaração de amor para mim e conscientizou-se de sua condição de borderline e eu da minha condição de co-dependente.

Há muito que eu alimentava a nossa doença. Porque, querida, eu também contribuía para alimentar, dando força, passando a mão na cabeça dele e vivendo apenas o papel de vítima.

A Wally ao postar meu comentário, mudou a minha vida e a do Fred. Me senti tão confortada e muito emocionada pelo carinho e repercussão que senti por aqui. Mas foi preciso eu sair do papel de vítima e isso levou muito tempo e muitas sessões de terapia. 

Se você sofre por alguém, pense bem, ele não te faz feliz. O primeiro passo para a cura é admitir que tem o problema, depois buscar tratamento e se comprometer de corpo e alma com ele. Confiar na terapeuta e tomar medicação corretamente.

Eu já estou em terapia há vários anos, e quando a Wally postou meu comentário foi o insight que fez toda a diferença. Você, Wally, foi uma luz que orientou a mim e ao Fred. Estamos nos aproximando a medida que ele está se tratando e parece bem comprometido com essa causa. Ambos estamos bem.

Esperança, preste atenção: Cuide-se, afaste-se dele. Procure um psicólogo para caminhar ao seu lado nesse momento e assim, você poderá avaliar se seus sentimentos são reais ou só a ilusão de um amor idealizado

E ele, necessariamente tem que estar submetido a tratamento, caso contrário a vida dele vai seguir sim, e você, minha amiga vai ficar parada, como imagino que você esteja se sentindo. 

No entanto, você ao postar seu comentário pode ter mudado a sua vida, assim como eu mudei a minha. Coragem!!!

Não viva por ele, mas por você mesma. Nesse momento não importa onde ele está ou com quem. Nesse momento é apenas você.

E olha, ele volta. Ah, volta. Para depois te abandonar de novo, é só um impulso. Você é mais do que um impulso, merece alguém que a ame de verdade. E borders amam, sim! São confusos, difícieis de entender, mas se estão se tratando o amor flui. Estou vendo isso no Fred. Já sofri tanto, tanto por ele...

O nome dessa "cuidadora apaixonada" é Luciana A.
E estamos bem e felizes.

Nem toda a história border tem final infeliz. A nossa está sendo escrita agora, em uma nova página da vida. Não mais com lágrimas de sangue, mas com emoção, trabalho, luta e companheirismo.

Aproveito a oportunidade para agradecer a todos que postaram e torceram por nós e em especial a Maria Roberta pelo carinho com o Fred.

E a você Wally a minha eterna gratidão. Você me ajudou a ser uma pessoa muito mais feliz. Deus te abençõe e encha a tua vida de luz.
Essa luz repercutiu na minha vida e na vida do Fred.

Um beijo a todos vocês e em especial a Wally.
Ao Fred, eu o perdoo por todo o sofrimento. A você que é a paixão da minha vida, eu te desejo toda a felicidade e paz do mundo. 

Parabéns porque você foi corajoso ao postar aqui a sua dor. Parabéns porque ouviu a Wally e está se tratando sem medo e sem vergonha. Eu amo esse novo homem e estarei de abraços abertos, aqui e sempre. Eu te amo.


Luciana A. ("cuidadora apaixonada")

108 comentários:

Tay disse...

Lindo... me fez querer ouvir o que meu 'cuidador apaixonado' diria de mim.
Porque eu briguei de novo e fui embora de novo... e voltei de novo.
E o pior, ou melhor: ele corre atrás de mim antes que eu volte. Acho, espero que tenhamos aqui duas histórias de amor felizes, sem finais. Porque borders amam, são difíceis, mas amam sim.

Anônimo disse...

Ai que linda história de amor, deveria ser feito um filme dela. Lindo !!!
Ingrid

Anônimo disse...

Ah, Wally muito obrigada pela postagem, está belíssima. Significa muito na minha vida. Homenageio você, Wally, porque é parte muito importante para o desfecho da nossa história de vida e de amor. E estamos só iniciando a nossa caminhada juntos, porém inteiros, conscientes, maduros e determinados a sermos felizes. Resta-nos compartilhar a nossa alegria com todos vocês e fica aqui registrado que o amor transforma tudo e TUDO pode. Borders e Não-Borders podem ser felizes juntos. Podem se relacionar, amar, perdoar e escolher permanecer juntos.
Um grande beijo a todos.
E a você Wally, um beijo no seu coração.
Luciana A. ( "curadora apaixonada")

Anônimo disse...

Querida Wally,
Quero muito te agradecer por tudo. Em especial porque naquele momento em que eu me encontrava absolutamente sozinho e em prantos, você me estendeu os braços e não permitiu que eu me afogasse na minha própria angústia e desespero. A sensação era de um túnel interminável de escuridão e dor. Pude vencer o medo, ah como o medo foi grande! Mas o meu sofrimento era tamanho que mais para baixo do que eu me encontrava não conseguiria suportar. Então, resolvi seguir o seu conselho e procurar um médico psiquiatra. Foi um momento perturbador, mas ele foi bem humano comigo e pude me sentir menos abandonado. Estou me dando bem com os medicamentos. Estou me sentindo mais tranquilo. A terapeuta foi indicada pela psicóloga da minha Luciana. E eu gostei muito dela, inclusive já conversou com a minha "curadora apaixonada". Sabe, que agora só a chamo assim?
Através do amor dela, da perseverança, do perdão por todos os meus erros e defeitos ela encontrou dentro de mim algo tão maravilhoso, que eu nem sabia que existia dentro de mim: sou capaz de amar e de ser um homem bom, receptivo e corajoso.
Sou e estou me sentindo um novo homem. Mas a caminhada só está iniciando, mas quero me tornar um borderline consciente e me aceitar exatamente como sou. Eu quero ser como você, Wally. E quero me tornar um pedaço da Lu. Isso é o que eu mais quero. Porque foi o amor dessa mulher que me levou a buscar a felicidade. E a felicidade é eu ser e ter o conhecimento da minha patologia e não fugir dela, mas saber como levá-la da melhor forma possível. As crises virão, mas não estarei mais sozinho. Não terei mais o medo do abandono, porque sou verdadeiramente amado.
Eu agradeço muito a todos que torceram pelo nosso amor, pelas palavras amigas, pelo amparo.
Agradeço a você Wally que ajudou a realizar a grande virada da minha vida.
E em especial, eu dedico todo o meu amor à minha mulher, à minha amiga e companheira. A minha paixão Luciana, minha eterna "cuidadora apaixonada". E o meu maior desejo é aprender a amar verdadeiramente para que eu, um dia, possa cuidar também dela. E quando esse dia chegar, serei o homem mais feliz do mundo.
Um grande abraço a todos,
Fred

Anônimo disse...

Que graça de história de amor. Li o post da "curadora apaixonada" e me comovi com essa história que tem um pouco da história de todo o border: relações instáveis e medo de amar.
Maravilhoso!!! Poderia até virar um filme de tão lindo!
Cristina

Anônimo disse...

Adorei essa história...que fofa! Não sou border, mas já namorei um. Pena que não deu certo. Quero viver um amor desses. Parabéns e felicidades ao casal!

Anônimo disse...

É, pois é. Nós borders tb somos capazes de amar e sermos amado. Esse é um bom exemplo: mas o amor tem que ser grande e verdadeiro. A cuidadora amou sempre o homem escondido atrás do TPB. Tem que ser uma pessoa especial: paciência, amor e dedicação, esse é o segredo.
Van

Anônimo disse...

:)
que bom !!!
maria roberta!

Anônimo disse...

Fiquei bastante feliz pelo casal do post. Mas confesso que com uma pitada de inveja. Gostaria de encontrar alguém muito especial que aparecesse na minha vida e fosse capaz de me amar como sou realmente. Sem a máscara, sem fingimento. Como o conto da "Bela e a Fera". A cuidadora amou a Fera e ela se transformou. Lindo de morrer!!!
Camila

Anônimo disse...

Eu também fiquei muito sensibilizada com esse post. Amei!!!
Lilian

Anônimo disse...

Lindo, lindo demais!!!
Concordo com a Camila: é a história real da "Bela e a Fera"!!! Um conto de fadas que se tornou realidade.
Ligia

Anônimo disse...

Uma verdadeira lição de vida e de amor.
Tudo de bom.

Anônimo disse...

Ah, que romântico....
Ficou a lição de perseverança e amor ao próximo. Porque essa cuidadora especial não abandonou o Fred, ela continuou perto dele, mas colocou limite: Eu te amo muito, mas não suporto mais tanto sofrimento. Você precisa se tratar, se cuidar. O maior medo de um borderline é o abandono, rejeição e solidão. Como o Fred se sentiu seguro, teve força para procurar o tratamento adequado e nasceu dessa atitude a oportunidade de transformação: um borderline consciente e maduro.
Parabéns Wally pelo trabalho desenvolvido. Imagino o que está significando para a sua vida. Uma lição para todos nós: borders e não borders. O amor é capaz de tudo.
Beijos,
Luciana

Anônimo disse...

Super demais, principalmente para nós borders. Também somos capazes de amar e sermos amados.
Bjos
Flavia

Anônimo disse...

É preciso acreditar na nossa capacidade, mesmo com toda a nossa problemática de sermos borderline. O casal mostrou que quando se quer algo é preciso correr atrás. O que mais me impressionou foi a coragem de ambos. Primeiro de se expor de forma absolutamente verdadeira, sem medo de rótulos ou julgamento.
Segundo, e o mais impressionante, ao meu ver, foi a força e a capacidade de compreensão de ambos: são conscientes e estão se tratando sem exageradas expectativas. Muito concreto e ambos demonstraram muitos resursos internos para realizarem essa busca juntos, de mãos dadas, caminhando lado a lado.
Fiquei me imaginando e sonhando com o dia que eu terei a mesma coragem e a mesma vontade desse casal.
Felipe

Wally disse...

Fred,
Eu estou MUITO orgulhosa de você.
E muito emocionada com a resolução da sua 'curadora'.
E muito grata a todos que participaram dessa história, torcendo por vocês.

Lembre-se que mesmo com o tratamento haverá dias difíceis, sempre há, para borders e não borders, no entanto NÃO DESISTA JAMAIS.
Nada como um dia depois do outro.
Mantenha-se otimista! O passo mais difícil você já deu!! Siga em frente confiante...

abraços

Wally disse...

Luciana,
Amei o seu comentário.
É bem como você disse mesmo, foi o limite que a cuidadora do Fred impôs que o ajudou a buscar ajuda profissional.
Isso mostra que é importante saber COMO estabelecer tal limite.

bjosss

Wally disse...

Camila,
Achei seu comentário muito pertinente.
A comparação com a história da Bela e a Fera ficou perfeita!!!

bjos

Wally disse...

Cristina,
Concordo plenamente!
Essa história TEM QUE virar um filme!!
Já pensou que maravilha?
Além de um desfecho lindo teríamos a divulgação do TPB...

bjos

Wally disse...

Felipe,
Excelente colocação!!
Não fora a determinação de ambos, nada disso teria sido possível.

abraços

Wally disse...

Querida 'curadora apaixonada'
Você tem toda a minha admiração (não só minha, pelo visto) de verdade mesmo.
Não é para todos a capacidade de agir como você agiu.
Enquanto eu ganho sua gratidão, você ganha minha enorme admiração!
Você é por demais especial!!!

bjo enorme!!!

Anônimo disse...

Puxa, Wally, minhas lágrimas estão descendo sem parar...Estou por demais emocionada. Sem palavras. Não havia pensado que a nossa história poderia ser um verdadeiro conto de fadas: "A Bela e a Fera"... Esse conto relata exatamente a minha tragetória. Lindo e com final feliz.
Um beijo,
Luciana A. ( "cuidadora apaixonada")

P.S. Agradeço a todos pelas palavras carinhosas

Anônimo disse...

Eu estava navegando pela net, desesperado, triste, depressivo,e deparei-me com esse blog há algum tempo no post: "vazio maldito".
Puxa, nada é por acaso diria minha psicóloga...
Sou borderline, tenho 41 anos e estou absolutamente impactado com essa história tão participativa. O que mais me impressionou foi a coragem dos personagens principais: Fred e Curadora Apaixonada e como tudo se desenvolveu: de um comentário em um primeiro post, a Wally teve a perspicácia de postá-lo como destaque e as coisas tomaram um rumo singular.
Maravilhoso. Deu-me coragem. Proporcionou para o meu ego ferido um sopro de esperança. É até engraçado, porque já haviam me confundido com o Fred...Gostaria de sê-lo nesse momento. Também procurei tratamento e tenho uma mulher maravilhosa ao meu lado. Mas como sou casado, tudo está encrencado: profissão, filho, parentes, status, promoção OU UM GRANDE AMOR?
Estou bastante confuso na minha vida, porém com a medicação, muito menos ansioso e angustiado.
Minha mulher especial não é a Bela, infelizmente, EU SOU A FERA!!!
A nossa história é diferente e não tive a mesma coragem e impetuosidade do Fred. Parabéns, cara, de verdade!!!
Você deve ser uma pessoa muito especial e também estou nesse mesmo processo de tratamento. Infelizmente a pessoa que eu amo e estamos juntos há mais de três anos não quer se expor, porque após uma crise eu a trai e desse ato irracional foi gerado uma criança e a imposição de um fatídico matrimônio de fachada.
Quero me fortalecer e tomar a melhor decisão possível e quem sabe viver um grande amor como o seu.
Para a Luciana A. "curadora apaixonada" deixo aqui registrado as minhas homenagens por amar e aceitar uma Fera com tanta abnegação e desprendimento em um grau que nunca havia visto antes. Pessoas iluminadas existem para transformar a história da humanidade. Você Wally mudou essa história e mudará a minha também. Parabenizo-lhe pelo trabalho desempenhado com tanto louvor.
Um abraço amigo,
"Ricardo"

Anônimo disse...

"Ricardo",
Obrigado pelas palavras. Mas pode acreditar que foi com muita dificuldade e sofrimento que consegui dar uma direção, um norte para a minha vida. Eu era um desajustado e revoltado com a minha vida e me sentia um monstro. Era regido por uma angústia extrema. Mas o psiquiatra me orientou que há diversos tipos de borderline e parece que no meu caso a medicação está me dando uma certa estabilidade. Estou fazendo duas sessões semanais de terapia. E também estou gostando muito. A minha "curadora apaixonada" está sendo muito participativa na minha vida, mas ambos estamos sendo muito bem orientados pelos nossos psicólogos e ambos trabalham com análise junguiana, portanto, falam a mesma língua. Sabemos das dificuldades e das crises que virão, mas estamos JUNTOS e isso é o mais importante. Também a trai durantes minhas inúmeras crises, e sei exatamente como vc está se sentindo: um lixo!!!
Mas, não se culpe, vc vai conseguir sair dessa, pq está com ajuda profissional. Quer um conselho?
Conquiste a mulher que vc ama. No resto, a decisão é sua.
Um abraço,
Fred

Anônimo disse...

história linda, linda. Eu sou borderline e quase sempre maltrato meu namorado. Já o traí muitas vezes e rompemos outras tantas. Mas,com essa história tive muita vergonha de mim mesma e resolvi voltar a tomar meus medicamentos. Quero pedir perdão para o meu namorado e que ele possa me amar como sou e amar a "Fera" que existe dentro de mim.
Bia

Wally disse...

Ricardo!!!
Que bom ter notícias suas!! :)
Estava ainda ontem pensando e torcendo que você voltasse a postar um comentário no blog pra saber como está indo o tratamento!!!

Estou TÃO feliz que você está se tratando (assim como também o Fred) e saber que os medicamentos estão aliviando um pouco sua angústia é muito bom!!!

Infelizmente não tem como você desfazer o passado. De uma crise resultou um filho e um casamento, ambos não planejados. Mas o que se pode fazer agora? Temos que aprender com os nossos erros. E seguir em frente.

Um grande abraço e não some!!!

Wally disse...

Fred,

Muito obrigada por estar participando.
Sua resposta ao Ricardo será de muita ajuda a outros borders também, tenho certeza.

Apareça sempre que puder nos dando notícias sobre seu tratamento.

Abraços a você e a sua 'curadora' :)

Anônimo disse...

Querida Wally,
Obrigado por estar torcendo e se preocupando comigo. Significa muito para mim. Estou bastante empenhado no meu tratamento e mergulhado na minha recuperação. Obrigado pela força e solidariedade com a minha dor. O problema ( maior) nesse momento é tomar uma decisão definitiva na minha vida e conseguir fazer uma escolha. Os borders tem essa dificuldade, além disso, pelo fato do meu cargo, preciso pensar nas consequências porque estou casado há um ano. E a minha "esposa" nem imagina que pretendo separar-me. Então vem a culpa, é tudo muito difícil porque meu filho ainda é um bebê. Mas, confesso que é insuportável viver ao lado dela, dentro de um casamento imposto. Mas, a mulher que eu amo não ficará a minha espera eternamente, não é ?
Bom, com calma eu resolverei a minha vida.
Um forte abraço,
"Ricardo"

Wally disse...

Querido Ricardo,
Parece que interiormente você já tomou sua decisão.
Agora é trabalhar para que ela se concretize.
Talvez você perca de um lado mas ganhe de outro.

Sim, com calma você resolverá a sua vida.
Tenho certeza disso!!!

abraços!

Anônimo disse...

Amei essa história, li o post da cuidadora apaixonada e todos os comentários por lá e acabei aqui, sem perceber, de tão intenso e cheio de vida. Também namoro um cara border, mas sou histriônica diagnosticada há dois anos. Então nosso namoro é bem complicado. Como as coisas entre esse casal deram certo, quem sabe entre eu e o meu namorado border também dê?
Como gosto de ser o centro das atenções o tempo todo e sou mega ciumenta ( mas faço tratamento) é difícil...Acho que sou mais complicada que vcs borders. Sou atão angustiada, invejosa, manipuladora,adoro aparecer e escaravizar o meu namorado feito uma criança mimada. E olha nesse relação ele deve sofrer mais que eu. bjos
Andreia Silvia

Anônimo disse...

Nossa sou namorada de um border e vou me inspirar nessa história tb. Ele descobriu há pouco tempo o diagnóstico e foi uma barra, estamos juntos há 04 anos e rompemos 6 vezes ( todas foram ele), mas acabamos voltando. Ele se trata mas está numa fase depressiva, sofrendo a beça....Estou do lado dele. Mas sou longe de ser a "Bela". Mas, com essa história percebi que o amo muito e estou sempre ao lado dele. Ah, "cuidadora apaixonada" vc é uma fofa!
Bjos,
Ana

Anônimo disse...

lindo, lindo!!!
Me fez pensar no meu namoro.

Anônimo disse...

Estava aqui lendo e relendo os últimos e-mails que trocamos e realmente vc tem razão quando disse que preciso fazer terapia, mas o difícil é reconhecer e aceitar sem sofrer.
Você até disse que acredito que sou sempre o “dono da verdade”, na verdade se eu fosse dono de alguma verdade eu não estaria na situação que me encontro hoje.
Pelo menos se eu conseguisse usar como escadas o que vc disse nessa sua frase: "cuidador":Sabe o seu problema, você acredita que você é sempre o dono da verdade...desce um pouco do salto".. eu teria algo para me apoiar e seguir em frente, mas nem nisto acredito.
"cuidador":O dia que você acreditar em si mesmo, metade dos seus pesadelos vão acabar, e você poderá ser uma pessoa realizada,no fundo acredito que você quer simplesmente chamar atenção, mas pense que as pessoas cansam também"...Mais uma vez vc tem razão no fundo tudo que quero é chamar a atenção das pessoas, pois no fundo simplesmente sinto como se eu não existisse.........E as pessoas têm todo o direito de cansar da minha pessoa, ou de uma pessoa como eu...........sei o quanto sou complexo,complexado e intragante, instável e dificilmente consigo controlas as minhas emoções, impulos e sentimentos.
Pra falar a verdade não me assusta quando vc diz que as pessoas cansam.............pois no fundo eu também estou cansado de mim mesmo............há dias em que simplesmente não me suporto......há dias em que eu simplesmente boicotaria a mim mesmo só para não ter está sensação de vazio ao extremo..............

"cuidador":Resumindo: Veja o que você escreveu, mais uma vez parece que o Drama faz parte da sua vida!!!"

"cuidador":Infelizmente eu não tenho mais nada para comentar, se você quer surtar, o problema é seu...mas leve isto muito bem registrado na sua memória".

"cuidador":Você é o responsável por tudo isto!!!!

Talvez por eu me sentir esta pessoa vazia eu tenho tentado me encontrar através do “drama’ que vc tanto menciona quando se refere a minha pessoa.
Acredito que o que aqui escrevo será interpretado por vc como um “GRANDE DRAMA”; talvez seja mesmo.

"cuidador':Infelizmente eu não tenho mais nada para comentar, se você quer surtar, o problema é seu".

Aqui vc fala como se eu pudesse escolher entre “surtar ou não” como vc diz, mas se eu realmente pudesse escolher vc pode ter certeza que eu escolheria ficar bem...........

Bom só queria desabafar........se é que vc ainda tem paciência de ler os meus desabafos..........não precisa me compreender e nem se esforçar para me entender......espero que um dia isto passe, ou, ao menos amenize........
O dia que você acreditar em si mesmo, metade dos seus pesadelos vão acabar, e você poderá ser uma pessoa realizada...
Espero que este dia não demore, e sei que quando isto acontecer uma pessoa estará me esperando de braços abertos para me confortar. Sei que minha mãe é a única pessoa que não me julga, mesmo não tendo conhecimento da metade dos meus problemas.........sei que nunca ouvirei minha mãe dizer que está cansada da minha pessoa..................

Wally disse...

Anônimo,
Eu sinceramente não entendi seu comentário.
Não sei se estou com muito sono ou o que.
Mas simplesmente não consegui entender a quem você se dirigiu ou até mesmo o conteúdo de seu desabafo...

Alguém aí entendeu?

Anônimo disse...

Nossa Wally, estou na mesma situação que você. Eu li e reli várias vezes...Puxa, essa pessoa deve mesmo estar confusa, porque você jamais falaria com alguém dessa forma, NUNCA!!!
O conteúdo do comentário está totalmente dissociado da realidade...uma pena...tomara que essa pessoa se encontre em uma melhor fase.
Beijo,
Van

Anônimo disse...

Eh, o comentário está fora dos eixos...talvez nem ele tenha percebido o que postou.
Se for uma crise, torço para que se recupere.
Concordo com a Van, vc jamais falaria assim como uma pessoa, jamais.
Abraço,
Felipe

Wally disse...

Pois é, e pra mim não pode ser pois não sou 'cuidadora' O.o

Talvez a pessoa escreveu isso na esperança que o cuidador dele(a) entrasse aqui e lesse o comentário. Porque só quem sabe o que está se passando poderá entender.

Infelizmente não posso ajudar o anônimo.
Confesso que me senti frustrada por isso.

Beijo minha querida!!!

Anônimo disse...

Em primeiro lugar,achei desrespeitoso esse comentário se referindo a Waaly, que SEMPRE tratou todas as pessoas de forma generosa, sendo border ou não. Segundo, naõ se faz acusações a outra pessoa de forma tão deselegante e agressiva.
Se quer ajuda ou braço estendido em um momento difícil: aqui é o lugar certo. Mas aja de forma adulta e educada!!!
Wally, perdão, mas não suporto injustiça e falta de educação!!!
Sou sua defensora de corpo e alma,
Beijos,
Luciana

Wally disse...

Obrigada pela confiança, Felipe.
A você também, Van.

Grande abraço.

Wally disse...

Oi Lu,

Acho que não pode ter sido para mim.
Como eu disse, eu não sou 'cuidadora'.
E pelo que entendi a pessoa está se referindo a um cuidador...

Bom, até eu fiquei confusa...
Mas muito obrigada por me defender.
Você é extremamente adorável.

beijos

Anônimo disse...

Acho que a Wally etá correta em seu julgamento. A pessoa deve estar pensando que o cuidador dele vai ler, ou outra coisa semelhante.
Vai ver que a história do Fred "mexeu" de mais com ele. Quem não quer ter um amor de verdade?
A Wally não tem nada a ver com isso.
Sarah

Wally disse...

Oi Sarah,

Pois é, pelo que entendi quando a pessoa escreve 'cuidador': .....

Ela coloca o que o cuidador disse a ela.

Uma pena que está confuso, não dá pra tentar ajudar.

Abraços e obrigada pelo comentário
Seja bem vinda e apareça sempre sempre!!!

Anônimo disse...

Confuso estou agora, Wally...
Nossa como você é querida e amada...
Estou embasbacado... mas nada surpreso, pois todos por aqui te amam,
abraços,
"Ricardo"

Wally disse...

Van, acho que vou publicar sua análise junguiana do filme Cisne Negro amanhã ;)

Wally disse...

Oi Ricardo!!
Que bom te ver por aqui!!!! :)
Ahh mas o amor é recíproco viu!!??
Amo todossssss!!!
Cada um de vocês ocupa um lugar especial no meu coração ♥.

Abração

Anônimo disse...

Ah, Wally obrigada pelo carinho. Você percebeu o quanto é amada? Um verdadeiro Exército apareceu para te defender. Você merece pela pessoa maravilhosa e especial que é.
Um beijo enorme,
Van

Anônimo disse...

Nós também repudiamos quaisquer manifestação de injustiça contra a Wally, pq nós também a amamos muito.
Luciana A. e Fred

Wally disse...

Percebi e senti.
Ah mas a verdade é que sem vocês nada disso teria sentido.
Incrível como a gente pode se conectar tão intimamente mesmo sem se conhecer pessoalmente...

beijo grande!!!

Anônimo disse...

Achei a história de amor da Cuidadora apaixonada e do Fred deslumbrante...belíssima.
As vezes, a tal pessoa do infeliz e confuso comentário se encontra num momento difícil e não soube lidar som a sua frustração amorosa ( pq fala "cuidador"). E agride todo mundo, sobrou até para a Wally ( que é um anjo).
Andreia Silvia

Anônimo disse...

Eu admiro esse blog...tudo aqui é tão espontâneo e verdadeiro...É a primeira vez que eu posto um comentário por aqui. Mas acompanho o blog há tempos. Também sou borderline, tenho 40 anos e sou religioso da Igreja Católica, mas não poderei me identificar sob pena de infringir as normas. Há pouco tempo descobri minha doença, após muitos anos de sofrimento e de despersonificação. Atribuía tudo ao Diabo...pois, só fui conhecer o meu distúrbio com a ajuda de uma pessoa que faz parte da minha equipe de oração que costumeiramente posta comentários aqui no seu Blog, Wally.
Desde que soube da minha doença, de início fiquei com muito medo, confesso, mas depois que mergulhei por aqui, não me sinto tão só.
Achei muito bela essa história de amor e como Deus nos guia por Suas Santas Mãos.
AGRADEÇO TODA A AJUDA, DEUS TE ABENÇÕE HOJE E SEMPRE.
"José"

P.S. quanto ao infeliz comentário, deixemos de lado, porque, com absoluta certeza, a pessoa está angustiada e em sofrimento

Wally disse...

Obrigada meus queridos Luciana A., Fred e Andreia Silvia.
Vocês são uns amores.

Mas pra dizer a verdade o susto foi só inicial porque realmente estou com muito sono e não sabia se tinha entendido direito e se a mensagem era pra mim. Mas depois que reli vi que não podia ser.

Acho mesmo, que a pessoa não está bem e não soube se expressar de forma mais clara.
Fiquei preocupada com a pessoa, inclusive...

Wally disse...

Olá José,

Seja muito bem-vindo.
Obrigada por comentar.
Não precisa se preocupar em se identificar.
Isso não é importante.
Mas comente sempre.
É muito bom podermos nos enriquecer com as experiencias de outros.

Fico muito feliz em saber que você conseguiu identificar e dar um nome para seu sofrimento.
Lamentavelmente demorou anos... infelizmente é assim com a maioria. Comigo também foi.

Um grande abraço

Anônimo disse...

Nossa gente o "cuidador" a quem me refiro é a pessoa que está comigo, e não a Wally.
Saibam que nem sequer conheço a Wally, mas já tenho um certo carinho por ela.
As pessoas me agrediram verbalmente sem ao menos saber do que se tratava.
Você Wally realmente é iluminada, sensivel e educada e entendeu logo o meu desabafo.
Este blog é para um ajudar ao outro e não para insultar, ou julgar sem ao menos saber do que se trata.
Obrigado Wally e me desculpe pelo transtorno....Que DEUS a abençõe..........

Anônimo disse...

Na verdade logo depois de mais uma crise e de ter cortado meu braço esquerdo novamente lembrei do blog acabei juntando os e-mails que troquei com a pessoa que namoro e como uma forma de desabafo postei aqui no blog...Eu pensei que pudesse desabafar aqui,por isso postei isso...Jamais tive a intenção de ofender, ou agredir a wally. Desculpem-me .....só estou triste pois pensei que aqui poderia me servir de abrigo e refugio,mas percebi que isso gera um grande transtorno....Pois me chamaram até de sem educação,injusta e desrespeitosa.......quando no fundo a minha intenção era só desabafar para aliviar.
Que DEUS os abençoe..........

Wally disse...

Anonima, não fica chateada, não.
Fui um mal entendido.

É que da maneira como você iniciou o comentário/desabafo ficou muito confuso e parecia que você estava se dirigindo a mim porque você não comentou sobre uma terceira pessoa.

Mas numa crise fica difícil se expressar mesmo.
Sinto muito pelo que você está passando com seu cuidador. Ser incompreendido por quem pensamos estar ao nosso lado é desolador.

Pode desabafar aqui sempre que quiser sim.
Da próxima vez você começa assim: "Gente, não é pra Wally..."

Brincadeira :D - só pra descontrair ;)

Beijos a todos!!!

Anônimo disse...

A Luciana fala no comentário relacionado a "Anonima" que é defensora de corpo e alma,mas julgou a Anonima sem ao menos se dar o trabalho de ler e reler o post dela.
Quem foi injusta aqui foi vc querida Luciana pois se alguém aqui foi injusta e desrespeitosa esse alguém foi vc. Da próxima vez seja mais educada e antes de sair atacando as pessoas respire e leia direito para não sair atirando farpas pra tudo quanto é lado.
Sabe Wally adoro seu blog,mas acredito que vc deveria barrar este tipo de comentário ofensivo e desrespeitoso.Imagina como a "Anonima" não se sentiu depois de ler isto.
Anonima se precisar de ajuda pode contar comigo se vc quiser deixar seu e-mail para que possamos nos falar em off.

Anônimo disse...

Wally, você como sempre é perfeita...Mas como defensora de todos que postaram comentários, permita-me expor que sempre nossos debates e diálogos são regados a muito companheirismo.
Não insultei ninguém, apenas defendi a pessoa da Wally, uma vez que o seu comentário estava por demais confuso. Sinta-se bem recebido por todos. A grande maioria dos comentários aqui postados são de borderlines, como é o meu caso. E todos nós conhecemos os sintomas e as crises, e dessa forma somos solidários com a dor do outro. Esse post é da história de amor de um borderline e de uma cuidadora apaixonada que estão unidos por um único ideal: o amor verdadeiro.
Sinto por sua crise, já vivenciei diversas dela ao longo da minha vida, espero que você tenha entendido e que esteja em tratamento terapêutico e medicamentoso, assim como estou há alguns anos.
Desejo-lhe muita sorte na sua vida.
Em nome dos borders: Fred, Ricardo, Felipe, Van , Sarah, José e cuidadora Luciana A.
Abraços,
Luciana
P.S. Não tenho nenhum puder em pedir-lhe desculpas e não guardo nenhum rancor da sua pessoa, ao contrário, só te desejo sucesso na sua vida.

Wally disse...

Anonimo, foi um mal entendido.
Vamos esquecer isso?
Pelo comentário de hoje da anônima, até ela entendeu que o comentário dela foi confuso.
Essas coisas acontecem.
E assim como não dá pra culpá-la por ter se expressado mal (afinal ela estava numa crise) não podemos culpar os demais por terem se confundido com o comentário dela (que estava mesmo confuso)

E se eu tivesse que barrar os comentários que vieram após o dela, teria então que ter barrado primeiramente o comentário da anônima.

Mas eu peço desculpas à anônima em nome de todos que se confundiram.

Não vamos deixar o clima aqui ficar ruim.
Não é mesmo?

Anônimo disse...

Querida Wally, se você me permite, considero pertinente a presente situação para expor os fatos de forma imparcial.
Em primeiro lugar, o "desabafo" do "anônimo" encontra-se por demais confuso e todos nós não sabíamos o que estava acontecendo com a pessoa naquele momento. De plano, aparentava que a anônima estava se referindo à pessoa da Wally. Esta foi a razão da surpresa e indignação de todos por aqui. Junto-me às palavras da querida Luciana, sempre presente de forma generosa e humanística em seus comentários. A amiga Luciana apenas agiu "instintivamente" em defesa de uma amiga muito querida e imediatamente, após os fatos serem esclarecidos, ela se retratou. Restando demonstrado a sua personalidade gentil e madura.
Ocorreu uma série de desencontros, apenas isso.
Obrigado por defender-me, também, amiga Luciana.
O post aqui é da história de Amor de dois seres maravilhosos, um brinde á eles!!!
Wally, nesse blog a única certeza é a amizade, o respeito e a solidariedade entre todos nós. O clima jamais vai ficar ruim...
Abraços,
Ricardo

P.S. Registro, aqui, que o presente Blog só demonstra ser altamente democrático e a todos é permitido externar o livre pensamento, sempre atentos ao respeito e solidariedade humana. Parabéns a todos os participantes

Wally disse...

Muito obrigada, Ricardo e Luciana.
Vocês são maravilhosos.

Eu também não tenho nenhum pudor em pedir desculpas. E o faço quantas vezes forem necessárias.

A questão é que houve um mal entendido e já foi esclarecido de ambas as partes. Tanto por parte de quem postou o comentário confuso como por parte de quem se confundiu.

O mais importante é que já esclarecemos isso, certo? :)

Anônima, gostaria que você se manifestasse e dissesse que aceita as nossas desculpas.

Abraços a todos.
Amo vocês!

Anônimo disse...

Querido "amigo" Ricardo,
Você me confortou, conseguiu externar os meus sentimentos, porque eu jamais quis ofender ninguém. Como border,sou impulsiva e sujeita a muitos erros. Mas a vida é assim um terno aprendizado.
Muito obrigada pelo carinho e atenção, tornei-me sua admiradora.
Wally, eu te adoro. Muito obrigada por ter me entendido.
Luciana

Anônimo disse...

Eu adorei essa linda história de amor. meu nome é Patrícia, tenho 25 anos e acabei de levar um fora do meu namorado. Então, após ler TUDO sobre essa Love Story, resolvi ligar e contei que eu só estava morrendo de ciúme dele porque acho que ele vai me trair a qualquer momento, porque tenho muito medo de amá-lo mais do já amo. Só medo de rejeição e abandono. Fui muito sincera, pq fazia o tipo "não tô nem aí com vc", mas era só defesa...
Para minha total surpresa: ele está vindo me buscar e ficou muito feliz com a minha sinceridade. Morri!!!
Estou tão feliz que quis dividir essa alegria com vcs. Ah, resolvi tomar direitinho a medicação de novo.

Anônimo disse...

Eu cliquei sobre esse comentário e estou maravilhada com essa bela história de amor e paixão. Wally, o amor quando é sincero e verdadeiro, ele rompe qualquer obstáculo. Lindo demais!!!
Parabéns ao casal!!!
Giselle

Wally disse...

Patricia,
Estou encantada com o efeito que essa história está causando na vida de tanta gente!!
Não é maravilhoso?

Parabéns por ter sido corajosa em ser sincera! Você só teve a ganhar com isso!!!

bjos e obrigada por compartilhar sua experiencia!

Sejam muito bem-vindas você e Giselle!!!

Anônimo disse...

Bem, meu nome é Leonardo, sou borderline, tenho 45 anos. vivi há alguns anos atrás um grande amor platônico com uma mulher maravilhosa, que por coincidência chama-se também Luciana. Foram momentos tão intensos e profundos, mas por obra do destino, acabamos por nos distanciar. Fui promovido para outra cidade e na época estava mal casado e infeliz. O nosso amor era tão grande que jamais poderia compuscá-lo, tornando-a minha amante. Ela jamais aceitaria, também.
Isso foi em 2002. Ela sempre esteve em meus pensamentos, nunca a esqueci. Depois disso, entrei em muitas crises e descobri o diagnóstico. Estou em tratamento desde 2004. Após ler essa história, resolvi procurá-la, num bravo ato de coragem, depois de tantos anos. E nada é por acaso, ela não está namorando e aceitou o meu convite para jantarmos hoje a noite. Estou me sentindo um adolescente muito feliz!!!
Obrigado pela ajuda, pois, foi uma difícl decisão.
Desejem-me sorte,
abraços,
Leonardo

Anônimo disse...

Ah, hoje já estou divorciado ( esclarecendo)
Leonardo

Wally disse...

Leonardo, puxa que reviravolta!!!
Adorei sua história.
Vou publicá-la logo mais.
Pois com certeza animará outros!!!

Parabéns por seu desprendimento e coragem!!
É assim que se faz!!!!

Um abraço cheio de sorte pra você!!!!

Uma mente borderline disse...

Boa Noite Wally querida!
A respeito do comentário fiquei triste pelos 7 anos q se foram...
A respeito do topiramato veja com a psiquiatra se talvez você beber mta água talvez não dê efeito sobre rins...mas melhor perguntar para ela...

Ai Wally sem remédio a vida é muito escura...as vezes não sei o que é real e o que é da minha cabeça...

...

Bjus Pri MT

Wally disse...

Oi querida Pri,

Já conversei com ele.
Ele me disse que o Topiramato não PROVOCA pedra no rim por si só. A não ser que a pessoa já tenha predisposição para esse problema.
Como eu nunca tive problema de pedra no rim, vou continuar tomando. Ele inclusive aumentou a dosagem, que devo tomar quando acabar esses que ainda tenho aqui.

Você ainda não conseguiu substituir o medicamento?
Não fica sem remédio não =/
Fico preocupada com você!

beijos

Anônimo disse...

Oi pessoal, queria me colocar quanto ao comentário da anônima, o qual gerou uma certa confusão (pois estava mesmo confuso e não dizia de quem se tratava; no entanto, ela estava visilmente precisando de colo naquele momento).
Eu sou border, faço tratamento, estou cada vez mais a par do funcionamento de um border portanto, do meu funcionamento. Este blog é feito por uma border, a Wally, que todos adoramos, que é uma pessoa especial, ciente do transtorno, de si, uma pessoa que estuda, muito consciente, responsável. Muitas das pessoas que comentam aqui são borders.
Ou seja, estamos, na grande maioria, entre borders e, por isso, circulando entre sintomas que esse transtorno traz, impulsividade, ansiedade, angústia, as vezes no meio de crises, etc ...
a pessoa que escreveu estava numa crise, deu pra ver ao ler aquilo tão confuso. e muita gente entendeu que era pra wally e na impulsividade de defendê-la (claro) respondeu diante dessa realidade que se criou.
o que quero dizer é que não devemos esquecer que temos reações diante do que portamos (impulsividade, ansiedade, emoções a flor da pele, angústias, sentimento de rejeição e abandono - que foi o que a anônima acabou sentindo -, etc).
Tentemos lembrar sempre, como fator até de evolução dentro do distúrbio, dentro do transtorno, quais são as nossas dificuldades.
Eu achei muito bacana quando as pessoas se retrataram e espero mesmo que a anônima tenha lido cada comentário nesse sentido pois ela me pareceu bem perdida e bem confusa.
Queria deixar bem claro, opinião a qual já expressei para a própria Wally diversas vezes, que não vejo melhor pessoa pra ser responsável por um blog borderline do que ela. Ela consegue dosar atenção, cuidado, responsabilidade, ordem, organização, informação, apoio, ajuda, tudo de uma maneira ímpar. Ter um blog border que funciona como um grupo de apoio (porque é assim que vejo) como ela tem, só é possível para poucas pessoas porque com as nossas características, uma palavrinha errada, num momento errado, pode gerar muita confusão. E a Wally tem sido pefeita. É por isso que ela merece todo nosso respeito e admiração. Eu a apoio incondicionalmente nesse trabalho!
beijos a todos
maria roberta

Wally disse...

Maria Roberta,

Sua colocação ficou perfeita e só tenho a agradecer.

Muito obrigada por tudo. Por estar sempre presente me ajudando no blog, por sua sensibilidade e perspicácia e sobretudo por não economizar tempo nem palavras em favor dessa causa tão nobre.

beijo grande!

Anônimo disse...

Linda história de amor. Estou muito feliz porque enche o nosso coração de esperança. Podemos ser felizes e tudo é possível.
bjo
Rafaela

Anônimo disse...

Fiquei absolutamente apaixonada por essa história de amor....
Encantadora e tocante.
Como border, também estou vivenciando um namoro incrível. Meu namorado é demais, também!
Adoro ele...amo-o. Mas aprendi com muita terapia a segurar aas minhas crises de ansiedade e insegurança.
Bjos para esse casal.
Denise

Anônimo disse...

Lindo, lindo de viver!!!!
Quero voltar a me tratar novamente. Meu deu novos ares....
Obrigada Wally,
Vou ligar para o meu terapeuta, agora, mesmo!!!
Beijos,
Malu

Anônimo disse...

Estou absolutamente feliz pela conquista desse casal e dos outros tantos depoimentos de casais que foram cativados e incentivados pela história de amor desse casal.
É muito comovente saber que um border foi capaz de dar "o pulo do gato". Que um de nós conseguiu trilhar um caminho especial: ter um companheiro.
Parabéns a Wally pelo blog. Simplesmente MARAVILHOSO.
Atenciosamente,
Esmeralda

Anônimo disse...

Também adoro essa história de amor, estou sempre clicando no seu blog, Wally, adorooooo...
bjos
Fernanda

Wally disse...

Muito obrigada meninas.
Vocês tornam o meu dia muito mais alegre com comentários assim!!! :)

bjos

Anônimo disse...

É a primeira que vez que estou por aqui e de cara me encantei com esse blog. Sou borderline, e estou em tratamento faz 8 anos. Tomo medicação regularmente e terapia semanal. Mas confesso que ao ler essa história de amor, meu coração: Ah, que lindo, que fofo!!! Posso ser tb feliz no amor.
Wally, parabéns! Pq vc me deu um presente lindo: esperança.
bjo,
Alessandra

Anônimo disse...

Eu sou border e amo perdidamente um cara que é meio psicótico. Toma anti-convulsivo e outros medicamentos. E faz terapia. Eu tb, embora a nossa medicação seja diferente.
Estamos juntos há quatro anos. Rompemos umas dez vezes, mas logo reatamos, porque foram durante as nossas crises. Nosso namoro é um pouco tenso, pq nós dois não somos lá muito normais..rsrsrs
Mas que o é? Entre trancos e barrancos, nós estamos juntos e na medida do possível: felizes, muito felizes. Temos 28 anos. E somos um casal muito parceiros. Só uma única vez, ambos ficamos na crise juntos, foi muito difícil para ele, pq eu perco a memória, fico despersonificada. Ele não, lembra de tudo. E coitado, se sentiu muito só. Nossas famílias não aceitam a nossa doença, dizem: como pode dar certo, dois malucos? Dói tanto, Wally. Mas a vida é assim e justamente por causa da nossa triste infância é que resultou na nossa doença: abandono e violência.
Mas, juntos, estamos bem.
Fico feliz pelo Fred, que é border conseguir ser amado pelo que é.
parabéns pelo seu trabalho, que é belíssimo.
bjos,
Tamara

Anônimo disse...

Meu nome é Anderson, tenho 30 anos e sou borderline. Estou em tratamento constante e tenho algumas crises muito sérias de despersonificação, onde tudo é muito nebuloso e solitário. Até pouco tempo, estava sozinho, sem namorada. Mas lendo essa história, pude perceber que é muito melhor ser sincero logo de cara e contar de uma vez que sou border e todas as suas implicações. Bom, fui apresentado a uma garota muito legal e me encantei por ela. Primeiro, fiquei me auto-observando: será que gostei mesmo ou é só impulso. Estamos saindo e está sendo muito bom. Ontém, a noite, contei tudo para ela. E, pasme: ela entendeu e foi muito querida comigo. E para minha surpresa, ela sofre de depressão e tb está em tratamento e contou tudo sb ela. Sabe, Wally, estamos juntos e aprendi, aqui com vc, que a verdade e a coragem deve ser maior que o nosso medo. O border vive com um monstrinho do medo dentro de si, mas eu consegui derrotá-lo e essa vitória está sendo maravilhosa.
Um grande abraço,
Anderson

Anônimo disse...

Linda a historia, como queria que fosse a minha. Mas eu sou histrionica conforme minha terapeuta, portanto, sofro diáriamente de angústia, choro por tudo, tenhi ciumes, parece que não cresço,e sou bonder, conforme meu psiquiátra, aliás parece que tenho um pouco dos dois, tenho 44 anos, e apos meu segundo casamento (fazem 8 anos) eu piorei, meu esposo não sabe lidar com a situação, e quando entro em crises ele me humilha , me chama de doente mental. E também não tenho apoio de minha família. Estou cansada desta doença, ou seja lá o que for, sempre sou a problemática e as pessoas se afasram de mim. Mas sei que nuca serei normal.

Wally disse...

Olá anônima,

É muito comum um borderline carregar um outro diagnóstico de transtorno.
Portanto, você pode ser borderline E histriônica.

Infelizmente permanecer num relacionamento como esse que você mencionou deve dificultar bastante o seu progresso no tratamento.
Não ter o apoio da família é ainda mais desolador, a meu ver.

Tudo isso colabora contra a sua evolução.
Você vai ter que trabalhar duro em cima das suas emoções, mais duro do que já trabalha, para poder ir se livrando como pode desses sintomas, ou ao menos amenizá-los.

Sinto muito. De verdade.
Não ter alguém que nos compreende ao nosso lado é muito triste e frustrante.
Abraços

P.S. Nunca largue a terapia e tratamento psiquiátrico!!

Wally disse...

Alessandra, seu comentário tocou meu coração!!
Obrigada por compartilhar o seu sentir.
De fato, a esperança é o que realmente nos move, não é?

Sem motivação, caminhamos de qualquer jeito, nos arrastando, só por obrigação.

Mas quando há esperança, endireitamos o melhor que podemos, erguemos a cabeça e seguimos em frente. E a caminhada deixa de ser uma obrigação.

Bjos

Wally disse...

Tamara,
Muito obrigada por compartilhar sua história!!!
Vou publicá-la assim que der.

Parece que vocês tem tido sorte de não entrar em crise ao mesmo tempo,né?

Que bom que vocês estão felizes! Só não pode descuidar do tratamento de forma alguma!!
Muitas felicidades pra vocês!

bjos

Wally disse...

Puxa Anderson!!
Fiquei arrepiada com seu comentário!!!
Você não deixou o medo te vencer!
E teve uma grande vitória!!

Que coisa maravilhosa!!
Estou encantada!!!

Muito obrigada por relatar sua experiência aqui no blog.
É claaaro que vou publicá-lo num novo post! :)

Sem dúvida vai servir de ajuda para encorajar outros borders!!

Se não der essa semana, na próxima publico, OK?

Apareça mais vezes!!!
abraços

Anônimo disse...

Eu tenho 40 anos e sou borderline. Meu nome é Guilherme. Estou muito impressionado com essa história de amor. Estou realmente sem palavras. Nós borders somos tão diferentes dos outros e há pessoas que são capazes de nos compreender sem julgamento? Nunca vivi uma situação dessa. Me fez pensar: talvez o problema esteja comigo e não com elas, não é Wally. Estou refletindo e assumindo a minha culpa nesse sentido. É muito cômodo colocar a culpa na nossa doença e seguir de olhos vedados como se a vida não nos desse opção de ser feliz. Essa história está sendo um divisor de águas na minha vida.
Abraços

Anônimo disse...

Eu também ameeeeiiii essa história!!!Tão fofa!!!
Quero ter um cuidador apaixonado tb!!! Morri, Wally!!!
Uau, alguém amar a gente como somos? Sou border e tenho 19 anos e sei que é pedreira, nem o Minotauro me encararia quando estou nas minhas crise...Mas na verdade, tenho que confessar uma enorme mancada, não tomo direito o remédio. É muito difícil para mim. Levo bronca direto da minha mãe e da minha psicóloga, ainda estou meio revoltada, pq sei do meu diagnóstico há pouco tempo e estou em sofrimento. Me deu esperança que nem tudo está perdido, né?
Bjo
Lilian

Anônimo disse...

Lindo!!! muito emocionante.
bjo,
Beatriz

Anônimo disse...

Também adorei esse post. Matéria linda de morrer.
bjo
Cecília

Anônimo disse...

Estou muito impressionada. Muito lindo.
Joana

Wally disse...

Lilian, realmente é necessário disciplina com o tratamento, especialmente com a medicação!!
As vezes eu também fico enrolando para mandar manipular e sofro a toa.

Mas olha, não se revolta contra o diagnóstico, não.
Pense assim, olha: agora você pode dar um nome para tudo aquilo que vinha sentindo e não sabia porquê. Agora você sabe que tudo o que sente tem um motivo. Agora você pode começar a seguir na direção certa mesmo sabendo que não é fácil.
E como você disse, sim, claro que há esperança!! Mas há de se esforçar!

Bjos a você e também a Beatriz, Cecília e Joana.

Anônimo disse...

Me apaixonei lendo essa história. Resta-me ter esperança de ter um amor assim.
Luiza

Wally disse...

Guilherme, assumir a responsabilidade ou parte da culpa é válido, mas se culpar por inteiro, não.

Mas de fato não podemos ficar de braços cruzados e nos resignar a uma vida de vítima. É possível dar a volta por cima, mas é preciso disciplina no tratamento e muito empenho.

Que bom que você permitiu que essa história lhe abrisse os olhos :)

abraços

Veronika disse...

Eu A-DO-RO essa história de amor! Aliás, gosto muito da maioria das coisas que são aqui publicadas. Só falta uma coisinha pro blog ficar perfeito: um "correio sentimental", né, Wally? rs. Aposto que seria o cupido dos sonhos pra "desencalhar" alguns e algumas daqui, hahahahahhaha. Eu adorei a ideia! (:

Beijos! (desculpa, mas não resisti à tentação de me manifestar! e quem não quer um cuidador/ cuidar/ whatever?!)

Anônimo disse...

Wally, querida amiga, como vai, tudo bem? Já estava com saudade de você!
É verdade que tomar a medicação,não é nada fácil! Logo de início, fiquei meio "mole", chapado, mesmo, e o médico já mudou duas vezes a minha medicação. No início, achei que estava piorando, mas confiei no meu médico que é muito seguro e experiente e perseverei com o tratamento. È claro, que o apoio da minha curadora Luciana, tem sido essencial. Mas ela é tão perfeita (visão borderline, estou trabalhando nisso...), que não quer me deixar ficar dependente dela, ela deixa muito claro que tenho que me cuidar por mim e nunca por ela. Tem sido difícil, ir às sessões duas vezes por semana, lidar com as mágoas e traumas do passado, principalmente da infância. Mas é NECESSÁRIO. E estou feliz, muito feliz.
Sou um bom namorado, um bom amigo. Entrei para um grupo de Volley, toda a quinta a noite. E até agora, não arranjei confusão no meu time ( o que é o máximo!).
A Lu está sempre torcendo por mim na platéia e fico muito orgulhoso quando a vejo na arquibancada sorrindo para mim. São pequenos gestos que fazem toda a diferença. As vezes, ainda, tenho insônia e medo. Acordo suado no meio da noite, mas com as técnicas que estou aprendendo, controlo o meu medo e volto a dormir. Respiro e conto até dez quando fico nervoso e não estou telefonando tanto para a Luciana. Ela colocou uma cota de seis ligações por dia com no máximo dez minutos por cada ligação. Sabe que estou conseguindo respeitar isso?
São os meus progressos e estou muito orgulhoso de mim. Estou "rosnando" menos. De um cão pitbull, estou me tornando aos poucos um labrador...( palavras da Luciana).
Um abraço,
Fred

Wally disse...

Freeed!!! Eu também estava com saudades de você!!!
De vocêS!!
Na verdade, eu e a Maria estávamos comentando sobre você, Ricardo, Luciana A, Felipe, Van e os demais participantes que aparecem por aqui com mais frequência.
Vocês tinham dado uma sumidinha, poxa!!! Snif!!!

Que bom que vocês apareceram novamente para dar um 'alô' e dar notícias do tratamento!!!

Fico extremamente feliz!!!
E saber que vocês estão progredindo, apesar de algumas dificuldades (claro, há dificuldades sim!)
Aos poucos, com o tratamento a gente vai aprendendo a impedir que nossas emoções controlem nosso comportamento.

Um super abraços a todos vocês!!!!

Anônimo disse...

Eu estava lendo o comentário Fred e cheguei a achar graça da forma como ele descreve alguns sintomas. Achei graça porque me vejo ali neles. Como podemos arrumar tanta confusão, não é? ai ai ... e é apenas pq achamos que não fomos bem aceitos (e por que não, afinal, não é mesmo?)
e como muitas das questões que temos que lidar hoje (senão todas) estão relacionadas com a nossa infância, como o nosso histórico de vida?
o tratamento leva a consciência. não é fácil tê-las mas é importantíssimo afinal, com ela, temos alguma chance de fazer diferente. não é fácil fazer diferente, mesmo com essa consciência, porque algo forte nos move internamente. mas a consciência é uma aliada indispensável para o auto-conhecimento e uma possível mudança. sem ela, é impossível.
que bom ter notícia dos que estão postando e estavam "sumidos"!!!!
grande beijo
maria roberta

Anônimo disse...

Olá, querida Wally, eu não desapareci não.
Estou sempre navegando por aqui. E bastante feliz, com o meu namoro com o Fred. O tratamento está sendo mauito mais difícil para o Fred do que para mim. Mas as coisas caminham bem. Fquei tão feliz por ele ter procurado fazer um esporte em grupo, você nem imagina. O Fred estava muito receioso de não ser aceito, de acabar criando confusão. Mas ele joga muito bem, e contou a verdade para o seu treinador, que adorou a sinceridade dele e acabou contando que quase todo mundo por lá toma "bolinha" rsrsrs morri de rir. O Fred, claro, também!!! Lá no time tem dois bipolares e um esquizofrênico e todos tomam medicação e fazem terapia. E estão fazendo uma boa amizade.O que está sendo muito bom para todos eles.
A cada dia eu o amo mais e mais....Ele é tão lindo, Wally...
Um beijo enorme para vc e para a Maria Roberta.
Luciana A.

Anônimo disse...

Oiii!!!
Ah, Wally, eu não desapareci, não. Estava meio tristinha depois da confusão qu eu acabei fazendo no seu blog, né? Pela sua defesa. Sabe, Wally é mal de advogado. Foi impulsivo. Me desculpe. È que gosto tanto de vc.
Bom, mas já está superado. Inclusive, minha psicóloga, disse que eu precisava enfrentar isso, pq vc, Wally, foi maravilhosa, contornando toda a situação e tb foi muito legal comigo.
Sabe, eu sou border, né? E olha, que eu tomo medicação e faço terapia...
Um grande beijo,
Luciana

Anônimo disse...

Estou muito maravilhado com essa história de amor e com a continuidade dos fatos...é uma história de amor que continua e continua.
Parabéns a Wally, pelo trabalho do seu blog.
Leandro

Wally disse...

Puxa Luciana, sinto muito.
Eu vi que você ficou bem chateada mas não achei que era por isso que estava quietinha no seu canto. :(
Não precisa pedir desculpas pra mim de jeito nenhum.
E você já se desculpou com a anônima.
Desentendimentos acontecem.
Ninguém é perfeito, puxa!
Ainda bem que você deu sinal de vida!!!
As vezes eu fico aqui, relendo os comentários antigos e me perguntando como será que estão todos vocês... e fico tão feliz quando vez ou outra vocês retornam :)
Eu sei que não dá pra comentar sempre (eu mesma sou falha em responder comentários) mas aparece de vez em quando, tá?
Você também foi maravilhosa me defendendo.

Um super beijo

Wally disse...

Luciana A.
Muito obrigada por sempre dar notícias :)
É um prazer poder acompanhar o sucesso de vocês.
Sério mesmo.
Eu fico muito feliz com cada vitória relatada aqui, fico sempre ansiosa pra saber como todos estão indo. Imagine no caso do Fred e do Ricardo que acompanhei desde o início então...

Na estrada da Vida há obstáculos e alguns são mais difíceis de serem ultrapassados, tanto para borders quanto para não-borders. Uns dias estamos mais cansados, outros mais desanimados e por aí vai... mas mesmo quando paramos para descansar e renovar as forças temos que manter a esperança e olharmos sempre para frente. Só podemos olhar para trás se for para encontrarmos forças para seguir adiante.

Um beijão

Anônimo disse...

Ah, Wally, vc é tão querida e eu gosto muito de você.
Obrigada pelas palavras tão carinhosas, significam muito para mim.
Sou muito sensível e carente. Deu para perceber, né?
Mas estou de volta. Muito obrigada pelo carinho.
Beijos,
Luciana

Wally disse...

Leandro muito obrigada pelo apoio :)
Seja sempre muito bem-vindo e apareça sempre!!

abraços

Wally disse...

Luciana, eu também gosto muito de você!
E estou muito feliz que você está de volta!!! :)

Um super beijo!!

Anônimo disse...

Eu fiquei procurando por essa história tão comentada e acabei a encontrando nas postagens, mais antigas. E nossa, li inteirinho junto com todos os comentários e nem senti o tempo passar. Wally é a primeira vez que entro no seu blog e sou borderlime e histriônica. Imagine a minha vida ? Mas tomo medicação e acabei de sair de um surto muito forte. Adorei essa história, ela é simplesmente MARAVILHOSA. Faço terapia e este blog está me ajudando muito a me entender, porque não tenho amigos borders como eu. Tenho 25 anos e o meu nome é Fabiane. Sou estudante de Publicidade ( já tranquei por duas vezes), mas agora tenho que terminar de vez com esse curso. Está sendo um grande desafio para mim. Já desisti do inglês, do francê, do italiano, etc. Na academia, estou até malhando direitinho, graças a Deus. Mas, confesso que o mais difícil, para mim,são os efeitos colaterais da medicação. Minha terapeuta é excelente e nesse quesito não deixa eu abandonar NUNCA O MEU REMÉDIO. Eu sei que ele é imprescindível para o tratamento do distúrbio borderline. Meu namorado acabou comigo e me traiu. Estou bem triste com isso, mas fazer o quê? Quero um cara legal na minha vida e que não me trate como um papel descartável. A vida vai me trazer uma pessoa bem legal.
Achei interessante o surto da primavera, pq acabei de sair de um bem forte, e conheço outros que estão surtando também. Achei interessante e acho que tem a ver...
Muito obrigada por postar matérias como essa do Fred e como eles estão evoluindo. Parece um conto de fadas sem o famoso: " e foram felizes para sempre". Eles postam as novidades com as suas vitórias e dificuldades. Muito legal!
Parabéns pelo seu blog,
da sua mais nova fã
Fabiane

Wally disse...

Olá Fabiane :)

Seja muitíssimo bem-vinda e estou muito feliz que tenha gostado do blog!
Essa história tem sido um chá de ânimo para muita gente...
Quando quiser contar sua experiência, fique a vontade, vou ter prazer em publicar no blog para compartilhar com os demais. A oferta vale para os demais leitores também :)

Bjos e apareça sempre!!

Nandamaia disse...

Me apaixonei por uma pessoa que só depois de muito sofrimento, compreendi ser um borderline.Nosso relacionamento durou por 03 anos de namoro conturbado e mais um ano e meio de casamento. Ele não aceita esse diagnóstico e não se submete nenhum tipo de tratamento.Sua inconstância emocional, incertezas e o imenso vazio afetivo que sente, e as inúmeras situações de humilhação as quais "me submeti" me levaram a uma situação de absoluto estress. Mesmo o amando muito decidi deixa-lo. O sofrimento por essa decisão é algo que até hoje, após 6 mêses me transpassa a alma.Não nos falamos, creio que já deve ter um outro relacionamento, ou assumido o outro (s) relacionamento que já existiam paralelo ao nosso. Sempre disse que me amava, mas acredito mesmo é que dependia de mim. Porque eu o motivava, evitava os conflitos, compreendia suas crises e sempre o perdoava, por compreender a impulsividade de seus atos. Vivia para ele e dessa forma fiquei sem minha vida, porque qualquer coisa que eu fizesse ou até mesmo pensasse, que significasse um distanciamento mesmo que breve, desencadeava a sindrome do abandono.Dessa forma as agressões eram sem limite. O que começou a desenvolver um verdadeiro pânico em mim e uma instabilidade emocional enorme. Criando dessa forma um círculo vicioso, ele me agredia, sentia-se culpado, pensava que eu a abandonaria e me agredia mais ainda. Chegamos ao limite do insuportável. Meu sofrimento é por perceber que tudo poderia ser diferente se ele aceitasse se tratar. Sei o quanto é doloroso para ele também, mas só ele pode decidir o que é melhor para sua vida. Por ama-lo ainda espero que um dia possa ter a coragem (se é q posso dizer assim) de lutar por uma vida mais equilibrada.
Me desculpem o desabafo.

Postar um comentário

Visitas Recentes

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...