Translate

17/04/2011

TPB - Não Consigo Trabalhar! - Depoimento


Da série: Comentários que Merecem Destaque
Via email
Olá Wally,

Achei seu blog sobre borderline e tenho xeretado os vários tópicos.

Sou border e passei anos indo em vários terapeutas que não faziam o diagnóstico correto. 

Tenho o conhecimento, hoje, que esse, infelizmente, é um problema comum. A falta de conhecimento a respeito do transtorno faz com que psiquiatras, terapeutas, analistas acabem diagnosticando TPB como transtorno bipolar, transtorno de déficit de atenção e hiperatividade e/ou os dois, quadros depressivos dentre outros. 

Isso, com certeza, dificulta o tratamento correto e interfere demais em nossas vidas.

Tentei deixar comentários no blog mas, como não consegui, resolvi mandar o email.

Queria saber sobre trabalho ... você consegue trabalhar? 
Eu não consigo... 
Tenho muita dificuldade em começar uma atividade e dar sequência a ela

E isso também acontece com uma atividade profissional. Como isso acontece pra maioria dos borders?

Beijos, Maria
.
Maria, muito obrigada por participar aqui no blog. A participação de todos os leitores é de suma importância para mim e tem ajudado não so a mim mas também a outros.

Sobre a sua pergunta, sim, eu consigo trabalhar. Esse foi um problema que nunca tive. E pra melhorar, amo o que faço, o que ajuda e muito.
Também acredito que o ambiente de trabalho me favorece bastante. Não há competição, minha agenda é bem flexível etc

Quanto aos demais borders, tenho ouvido de alguns que tem dificuldade em se manter em um emprego por muito tempo. 

Vamos ver se mais alguém se manifesta por comentário aqui nesse post. Seria interessante...

Por outro lado, assim como você, tenho uma dificuldade imensa em começar uma atividade e dar continuidade a ela. (essa dificuldade só não se encaixa no quesito trabalho)

Eu preciso que alguém constantemente me motive.
Isso inclui leitura de livros, cursos e envolve até mesmo a saúde. 
O único tratamento que não interrompi foi o atual que perdura desde que fui corretamente diagnosticada.

Mas deixo de ir a genicologista, não faço exames periódicos etc etc etc  (shame on me).

Se alguém não ficar me motivando, eu fico pra sempre estagnada...
Wally

32 comentários:

Anônimo disse...

Oi Wally, obrigada pelo post!!
Já recebi conselhos para que eu tentasse manter um emprego que me desse uma agenda flexível também. Penso que algo muito rígido, para nós, seja muito difícil ... No entanto, se ficamos muito "sem regras" também nos perdemos.
Também tenho dificuldade em manter outras atividades, como cursos, ler livros até o fim, até ver filmes em DVDs inteiros ... tudo isso, nos relatos em consultório, faziam os profissionais confundirem com TDAH ... e a quantidade de diagnóstico errado era absurda (sem falar na medicação :S) ...
Poxa, seria legal se outras pessoas compartilhassem suas experiências e opiniões sobre como é a vida delas com relação a trabalho e emprego. Isso tem me preocupado muito já que não tenho apoio da minha família ...
Beijos
Maria

Wally elsissy disse...

É... eu te entendo perfeitamente Maria.
Eu também não tenho o apoio da minha família.
Aliás, eu praticamente não tenho família.
Salvo alguns amigos... os de verdade (quase todos virtuais), esses sim, me apoiam.

bjos

Julianna Louise disse...

Olá meninas,
Eu não consigo trabalhar. Eu já trabalhei mas eu tenho problemas com horários e autoridade de chefe. Tem dias q eu estou muito mal e não cosigo trabalhar e sempre tive problemas de relacionamento com colegas.
Eu NÃO gosto de trabalhar pq sei q vou ter problemas antes de come§ar. Outro problema é a procura por emprego, entrevistas me apavoram e eu acabo desistindo antes de come§ar.
Sempre trabalhei por indica§ão de pessoas pq meter a cara e ir sozinha nunca consegui. Curiosamente NUNCA fui despedida apesar de ter dado vários motivos pra isso.
Eu também não tenho apoio da família e nem dos amigos, a não ser dos virtuais como disse a Wally.
Bjos JUJU

Wally elsissy disse...

Oi Ju... saudades de você...

Sabe eu acho que o fato de minha agenda ser bem flexivel é o que ajuda muito... e também o fato de eu amar o que faço, claro.

Mas eu só fui capaz de começar porque ganhei um ENORME empurrão da minha prima/chefe.
É... graças a ela...

Outra coisa, apesar de haver vários professores na escola, tem dia que a gente nem se fala... e não há competitividade... isso também é de grande ajuda... ninguém querendo puxar o tapete do outro...

Mih disse...

Oi meu nome é Michelle, e esse ano eu resolvi fazer algo de útil...minha família inteira odeia a minha preguiça, eu não fazia nada em casa, nem mesmo tarefas que me cabe como forrar a minha cama.
Já estou no meu segundo emprego esse ano ¬¬'
o primeiro eu enjoei,(trabalhava como atentende em uma loja de chocolates ) e esse (recepcionista) eu estou gostando.. pelo fato de não ser competitvo, e não existe muita pressão (eu não funciono sobre pressão).

E assim como você Wally eu não consigo terminar outras atividades se não tiver um incetivo.. caso contrário.. cursos, livros.. não consigo terminar! e isso me incomoda muito.Até abri um tópico sobre isso na comunidade no orkut TPB-Borderline.

beijoos

beijooos

Anônimo disse...

Oi Mih, acho que é uma constância na nossa vida essa dificuldade de lidar com meios competitivos. Também tenho isso pois me cobro demais e é um sufoco mental lidar com um ambiente cheio de competição.
Mas a dificuldade em dar continuidade em um emprego relaciona-se com dar continuidade em qquer atividade que seja, até mesmo fazer cursos, ler livros, ver filmes ... já ouvi relato disso de vários borders.
Acho que podemos nos ajudar se comerçarmos a avaliar e discutir aqui o porquê cada um acha que isso acontece consigo. A gente pode trocar figurinhas. Creio que identificando o que leva a perder a vontade, a enjoar, etc, conversando entre nós, que sentimos coisas semelhantes, podemos, sabendo o que leva so problema, tentar contorná-lo.
Beijos
Maria

Mih disse...

Maria,

É muito bom saber que nesse mundo você não está sozinha, compartilhar experiencias em comunidades ou blogs,tem me ajudado muitoo,até me alivia pra falar a verdade. É bom saber que você não é a única que passa por dificuldades em lidar comos sintomas.. isso até nos dá força pra lutar contra esse maltido transtorno.

O que me leva a desistir das minhas atividades, eu não sei explicar com exatidão.. eu simplismente perco o interesse, me falta ânimo. Quando se refere à algum curso,me sinto incapaz de executar derminada tarefa, me sinto inferior em relação as outras pessoas... qualquer dificuldade que aparece, já é motivo de querer desistir, o que me leva a me sentir um lixo... um fracasso total =/

E com vocês? O que leva vocês a desistir de suas a tividades?

beijooos

Anônimo disse...

Oi Mih!

O mesmo acontece comigo!
Quando faço um curso, no início estou empolgada, animada. Depois começam as comparações com as outras pessoas e me sinto inferior, incapaz. Da mesma maneira que você, se alguma dificuldade aparece, acabo desistindo.
Bem, já perdi a conta de coisas que comecei e parei. No entanto, algumas delas, passado algum tempo, eu volto a tentar mas desisto acabo desistindo de novo. Nunca dou continuidade suficiente pois conforme as dificuldades aparecem eu desisto. Com isso, vem o que você disse de me sentir fracassada também. Uma baita frustração ao me propor uma atividade e não conseguir levar adiante.

Acho que sei um pouco do porquê isso acontece. Nós borders temos um ideal muito elevado de perfeição. Nunca o que fazemos está bom o suficiente. Essa auto-crítica já é bem elevada. Além disso, a comparação com os demais é algo que também existe em nós. Sempre estamos olhando pros outros por não termos confiança em nós e também por precisarmos da aprovação dos outros - da mesma maneira que a criança precisa pedir a aprovação da mãe. Somos inseguros.
Como a nossa visão de nós mesmos varia muito, em determinados momentos nos achamos capazes mas, muitas vezes, não.
Isso gera uma baita tormenta interna e a atividade em si, o curso no caso, passa a ser muito stressante. Eu, particularmente, chego a ter enjôos físicos.

O que fazer então?

Bem, somos assim. É com esse material que temos que aprender a trabalhar. É o que estou tentando fazer ... e não vou dizer que é fácil pois não é ...
Mas, primeiro: se sabemos que temos um padrão de perfeição elevado, ou seja, se exigimos de nós resultados extraordinários logo na primeira tentativa acho que podemos tentar ir com calma e pensar: "pra correr, preciso engatinhar primeiro, depois andar devagar, depois andar rápido e depois correr". É arrogância nossa achar que podemos correr logo de cara - em qquer atividade que seja;
Segundo: como temos a mania de pedir aprovação pros outros, vamos tentar não fazer isso. Pelo menos até nos sentirmos mais seguros conosco. Vamos num curso, tiremos o que ali tem de melhor mas não precisamos ficar perguntando pra mãe, pra amiga, pro namorado, pro marido o que ele acha disso ou daquilo. Podemos achar o que queremos a respeito do que queremos. Vamos nos dar um tempo sem precisar da autorização de alguém pra podermos gostar de algo;
Terceiro: Nossa visão de nós mesmos varia muito, muito mesmo. A visão das outras pessoas também muda a cerca delas mesmas. Mas não tanto quanto em nós. E elas não se prendem tanto a isso. Nós borders, pelo transtorno em si, pela insegurança, temos uma inconstância maior de idéia de si. Tudo bem. Aos poucos, espero, vamos conseguindo lidar com isso.
Acho que não devemos nos culpar tanto mas também não devemos desistir.

Identificar certos comportamentos e tentar encontrar meios de controlá-los para sofrer menos com eles pode melhor nossa qualidade de vida e a das pessoas que vivem a nossa volta.

Quanto atividades como ler livros, assistir filmes, etc ... eu também tenho dificuldade de conseguir manter. No caso de filmes eu procuro ir ao cinema pois estou dentro de uma sala e o ambiente propício me mobiliza a assistir 2 horas de um filme sem problemas. DVDs em casa ainda não consigo. E livros, consigo ler contos. Já romances ainda não consigo.

Acho que temos que tentar nos respeitar e, aos poucos, ir criando formas de ter atividades que faziam parte da sua vida.

Preciso falar que quando fico mal, e isso acontece - as crises - nada funciona. Mas a idéia é que elas diminuam - as crises - conforme a gente for conseguindo se fortalecer.
Não é?

BEIJOS
Maria

Anônimo disse...

Olá, meu diagnóstico e depressão recorrente e transtorno de personalidade não especificada. O meu ultimo trabalho foi em 2003, e passei apenas 3 meses. Eu tinha feito um curso de corretora de imóveis, e precisava estagiar. Consegui por indicação estágio numa grande imobiliária da cidade. Mas eram dois horários,longe do meu bairro, tinha que andar muito, muita pressão e competição demais. Abandonei, e essa não foi a primeira vez, já tinha abandonado outros. Em outras áreas.
Meus sintomas são muito parecido com o que a Julianna Louise, comentou sobre ela. Tenho problemas com autoridade de chefe, horários, e tens dias que nem consigo ter um relacionamento saudável nem em casa, fico extremamente cansada, stressada. E cada vez mais me sinto infeliz e culpada. Apesar de gostar muito de certas coisas na profissão de corretora de imóveis, existe a concorrência e muitíssima pressão. Recentemente tentei trabalhar novamente, fiz um treinamento pra me atualizar, mas não conseguir continuar. Eu me sinto cada vez mais deprimida, culpada,incapaz, frustada, infeliz. E as pessoas não entendem, nos julgam e condenam. Só quem conhece esse martírio pra entender.
Esse é o meu desabafo, obrigada pelo espaço e parabéns pelo blog.
Abraços e força a todos!

Wally disse...

Querida anonima,

Seja bem-vinda.
Acho que dependendo do caso só conseguimos trabalhar se não houver cobrança, pressão, prazos e metas a cumprir etc...

Já pensou em tentar trabalhar em alguma área bem 'light'?

O que seu médico diz dessa impossibilidade?
Eu posso mesmo imaginar como deve ser frustrante, principalmente mediante a cobrança de parentes etc...

Pode usar o blog para desabafar a vontade.

Bjos

Anônimo disse...

Obrig. Wally, pelo espaço e pelo carinho. Sim já pensei em trabalhar em algo sem tantas cobranças, já fui alertada pelo terapeuta com qual me consultava a uns anos atrás, que está área de corretagem era bem pesada pra mim, porém nem sei o que chega a ser ligth no meu caso... Como amanhã terei consulta com a psicóloga que está me assistindo no momento, vou aproveita para perguntá-la sobre essas impossibilidades

Bjos

Wally disse...

Boa idéia perguntar pra psicóloga :)
Depois volta aqui pra compartilhar com a gente!!!
Bjos e apareça sempre!!!

Felipe disse...

Já que tocou no assunto eu tbm não consigo trabalhar ou concluir atividade d longa duração... falta motivação, no início é interessante, depois é terrivelmente tedioso... acho que criamos mtas expectativas a respeito, expectativas q não possam ser alcançadas... sei la... adoro essa página! Beijos.

Wally disse...

Felipe, e você acha que pode ser também por causa de cobrança e pressão no ambiente de trabalho? Ou só por não conseguir concluir tarefas?

bjos

Anônimo disse...

Eu não sou diagnosticada, mas após umas crises de ira, liguei o computador, pra ver o que poderia ser esses transtornos e tenho quase certeza que tenho isso.
Vou falar em familia , só minha filha me entende porque ela não me cobra. Minha mãe é um doce , mas vive querendo me podar , tendo em vista que desejar algo já é bem difícil, ex: Falo : Hoje vou lavar roupa, ela diz: Hi aquela vizinha fofoqueira vai ficar olhando, eu acabo cedendo e depois já viu, haja ouvidos !
Segundo em minha religião: Sou cristã, e lá é um lugar horrível, que eu tenho a sensação de que é um clube social ninguém olha pra vc, se estar mais bem arrumado olham com inveja , se ta mal arrumado ... enfim e um L (rs...) , mas falando sério são poucos só com o lider , não sei se o problema é realmente meu ,mas faço minha parte de não guardar rancor.
No circulo social com amigos ,sou bem legal! Gosto de filosofar...

Wally disse...

Anonima, você não falou muito sobre seus sintomas mas seja como for, o melhor a se fazer é procurar ajuda profissional.

Dependendo da intensidade dos sintomas você até pode tentar driblá-los só com medicina alternativa e com psicoterapia ou psicanálise mas ficar sem se tratar não dá.

Abraços e boa sorte!!

rosana disse...

eu não me dou muito bem com colegas de trabalho, competição no trabalho me faz muito mal, acabo me descontralando, se meu trabalho não é valorizado meu mundo cai e não consigo continuar, se noto que algum colega não gosta de mim piora tudo, cumprir horarios é dificil, tenho dificuldade até de me comprometer com o serviço de casa do dia a dia, gosto de organização mas é muito dificil pra mim, tem gente que acha que é preguiça, que não me esforço o suficiente, mas eu sinto que não consigo, e sinto muita magoa , principalmente da minha familia, que exigem de mim cada vez mais, minha irmã mais velha me mandou um livro da zibia gaspareto que pra mim nao tem nada de espiritismo, onde a minha irma disse que eu parecia a personagem principal, resumindo, o livro dizia que a personagem tinha que abrir um negocio proprio e desenvolver talentos se não ela nunca seria feliz pois não estava evoluindo espiritualmente, esse livro acabou como, me senti como se ela estivesse me chamando de inutil, cuido da minha mae que é bipolar grave, coisa que nenhuma das minhas irmãs quizeram fazer, minha saude emocional não é das melhores, tenho dificuldade de fazer as coisas do dia a dia, por que não consigo...sou cobrada e escuto criticas o tempo todo, e ela ainda quer que eu faça mais? e ela ainda acha que é psicoterapeuta junguiana competente!.... as vezes acho que deveria viver sozinha com meu filho, quando me isolo sinto que vivo melhor, só não faço isso por causa do meu filho de 4 anos , não quero que ele se isole junto comigo, mas viver com tantas criticas, inclusive do meu marido está insuportavel, gostaria muito de ter uma fonte de renda, um trabalho, mas não sei nem se quero ,pois isso vai ser mais um problema em minha vida.
desculpe o desabafo

Anônimo disse...

Eu tbm nunca consigo me manter no emprego. No começo fico empolgada, acho q me achei, depois o tempo vai passando e começo a nao conseguir mais. Agora mesmo estou com uma pressao enorme na minha cabeça pra arrumar um emprego. Todos dizem: vc precisa se ocupar. Mas nao adianta. Sou inutil e parasita, nunca vou mudar.

Anônimo disse...

eu não tenho vontade de deixar o meu trabalho mas tem dias que não quero sair da cama,só sinto vontade de chorar e fico até sem comer...Será que sou Bipolar???Não tenho de morrer,me sinto bem somente a noite, odeio sol...odeio calor..meu trabalho é desgastante, porém gosto muito, trabalho com pessoas, atividade home care...

Anônimo disse...

eu tb não consigo trabalhar, já cheguei ao ponto de engravidar para sair do emprego e o meu marido me sustentar, com a desculpa que eu tinha que cuidar do meu bebe que agora está com 4 anos, me sinto inutil sem produtividade e estamos com dificuldades financeiras e estou com medo de trabalhar, pois agora não terei desculpas para eu sair se não conseguir seguir em frente.. nossa é um sentimento horrivel, pois quero trabalhar mas não consigo. me sinto tão triste por isso..beijos

Anônimo disse...

Oi Wally quanto tempo!!!
Resolvi cancelar meu blog pois nem tinha tempo de postar...

A respeito de trabalho: Eu também tenho mta dificuldade com as pessoas do ambiente.

Trabalhos onde eu possa entrar e sair em horários flexiveis me ajuda também,
inclusive por ex saindo um pouco mais tarde não pego õnibus cheio e me stresso menos.

Tem empregos que você é tercerizada e o chefe não cobra tanto pois nem te vê ajuda tbm.

Sobre curso: comecei uma pós e parei na metade.
Apartir dai resolvi fazer cursos rápidos, de 40 horas, 1 mes...sabe

"Não temos que nos frustrar e sim pensar em algo que possa nos favorecer".

Bjs querida
Pri MT

Anônimo disse...

Não se sintam inuteis...nós vamos conseguir vencer as dificuldades...

completando a resposta a cima:

Pós:

Quando eu estava na pós fiquei tão stressada com o conteúdo e senso de inferioridade que tive acessos de pânico!
Foi terrível. me sentia inferior as pessoas, burra etc.
Passado um tempo que eu tinha cancelado, a menina da minha sala disse que eu deveria ter continuado pois era a mais eforçada e empolgada da pós. O que quero tentar mostrar p mim mesma e p leitores: Temos que ver o que é real.
Se eu tivesse perguntado antes para minha colega, ou insinuado que ia sair, ela ia falar que eu era esforçada e talvez eu ia parar de ter idéias paranoicas do tipo ela me acha burra e incopetente...e não ia cancelar a pós.


Livros:

Por mais que seja dificil se concentrar eu leio. Com a leitura esqueço um pouco problemas e entro em outro mundo me esquecendo um pouco!O que fiz? Procurei na net autores engraçados, interessantes que me identifico, comprei 1 livro por ex, esse livro é de comedia romantica...li ele...quando não estava afim deixava na bolsa, depois qdo vinha avontade lia...estou no terceiro da autora! A dica é procure algo interessante q se identifique. Se vc consegue ler o blog da Wally é q acha interessante.
Outra coisa que leio é a reviste "psique" e "mente" amo psicologia e sao temas legais!
Ler para nós borders é mto produtivo, pois desfocamos um pouco de nossos problemas.

Trabalho:
Eu demoro em média 6 meses para me adaptar...
e mesmo assim amiga msm me torno geralmente de 1 unica pessoa.
Mas coloque na sua mente q sempre haverá nem q seja 1 pessoa boa que terá afinidade!!!!
E as vezes aquele mais chato, esnobe, etc gosta de vc e vc acha q é o contrario!
dai entra aquilo de procurar provas do que é real e do que não é...
Sei que não é fácil desvendar as pessoas. Mas a verdade aparece!!!

A psicoterapia ajuda mto...

Pri Mt.

dekikell disse...

Olá sou Raquel, e atualmente moro no japão e tenho dificuldades em trabalhar....pela manha, antes de sair fico com muita vontade de chorara aperto no peito uma sensação ruim e choro muito não tenho vontade de ir trabalhar....quando eu estava no brasil eu conseguia ficar em um emprego só por 3 meses nunca consegui ficar mais que isso, as vezes pensava que não gosto de rotinas, e agora morando longe de minha família ficou mais difícil, mas não consigo entender porque sou assim... você parece saber sobre algumas coisas pela sua experiencia se puder me ajudar fico grata.

Anônimo disse...

Olá meu nome é Jean!

Tenho todos os sintomas que foram ditos aqui no blog! Minha namora já ate me largou por isso, ela acha que eu sou preguiçoso mas não é isso, na verdade eu gosto muito de me sentir útil... tenho sérios problemas com pressão no trabalho, não sei com lidar com isso, toda vez que começo um novo serviço me sinto muito empolgado mas logo fico frustrado outra vez, me sentir vigiado
é o fim e odeio isso, pois isso me traz a sensação de incompetência absoluta, quero aprender tudo de uma vez só mas isso me traz vários problemas porque quero demostras algo que não consigo ser. Eu queria tanto resolver esses sintomas, porque sinto isso? Porque tenho problemas com horarios, e pressão no serviço, tenho muito medo de ficar sempre assim e perder para sempre minha namorada para uma pessoa que não tem o mesmo problema que eu, detalhe eu e ela estava-mos quase casando.

Wally disse...

Jean e Raquel, quando não conseguimos encontrar solução por nós mesmos, nem com a ajuda de amigos ou familiares, é porque chegou a hora de procurar ajuda profissional.
Se vocês se sentem desconfortáveis com essa situação, não há dúvidas que existem um problema, e provavelmente um problema de ordem psiquiátrica/psicológica.

Aqui o post fala sobre o TPB, mas para descobrir o que há por trás desse sintoma, vocês terão que buscar a ajuda de um profissional da saúde mental.

Não protelem!

Abraços e boa sorte!!

Anônimo disse...

Wally tenho 46 anos e no entant so fui diagnosticada com tpb aos 45 anos depois de consultar varios neurologistas e psiquiatras penso que um diagnostico mais nova minha vida teria tomado outros rumos hj tomo medicamentos que me deixam muito mais tranquila consigo dormir e nao fico tao nervosa com vontade de sumir mas ai vai um breve resumo tudo que comecei a minha vida inteira nao teve final principalmente nos estudos 3 faculdades inacabadas fora cursos tecnicos que comecei e nao terminei relacionamentos tambem sou solteira nunca consegui levar um relacionamento adiante hj com consciencia do meu problema é uma luta diaria mas estou bem muito melhor doque antes

Anônimo disse...

Olá. Parece que tenho isso também. Eu não gosto nem um pouquinho do meu emprego, tenho uma dificuldade enorme em cumprir os horários, tanto na vida profissional como na pessoal. Mas já viram, na vida profissional não cumprir horários é um PROBLEMÃO. Eu penso que se eu encontrasse um emprego de que gostasse, tudo ficaria mais fácil. Odeio competição, metas, puxação de saco, etc. Também me sinto muito inseguro em quase tudo que vou fazer, fico me comparando constantemente com os outros - isso é irritante.Eu trabalho atualmente em banco e é muito ruim o que eu faço. Os horários não são nada flexíveis, é cheio de metas para cumprir e os superiores pegam muito no meu pé, pois eu sou o esquisito da agência, aquele que faz tudo o que uma pessoa normal não faz. Tem horas que acho que pensam que sou retardado, pelo fato de não conseguir entrar no esquema do trabalho. Ficam impressionados com o meu comportamento.

Eu também sou difícil de me satisfazer com as coisas. Com relação a emprego, sempre fico analisando se o que estou fazendo está de acordo com a minha capacidade, com a minha formação superior, só que isso é muito difícil de acontecer do jeitinho que a gente quer. Então, fico desanimado e já perco o interesse naquele emprego.Sou extremamente perfeccionista e fiel aos meus princípios e até minha esposa fala que sou muito 8 ou 80, muito extremista. Se não gosto de algo, não gosto mesmo!!! Isso me atrapalha muito, principalmente no trabalho. Como não gosto do que faço atualmente, sou capaz de botar tudo a perder e comprometer as pessoas do meu ambiente de trabalho, e principalemnte a mim. Isso é absurdo, mas é incontrolável. Meu desempenho no meu emprego enseja vários motivos para um demissão por justa causa.

Wally disse...

Anonima, eu entendo bem esse assunto de começar e não acabar. É extremamente delicado. Você faz terapia? Esse ponto eu só consegui melhorar fazendo psicanálise. Ainda tenho que melhorar mais, mas já fui pior.

Wally disse...

Anonimo, você já pensou em procurar tratamento terapeutico pra isso? E também em mudar de emprego? Quando trabalhamos no que não gostamos tudo de negativo tem proporções muito maiores... e o estresse é em dobro!!

rosana disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Mister S disse...

Bom dia Wally,

Fui diagnosticado com TPB após o 3 psiquiatra e 4 psicólogos e 6 longos anos de sofrimento.
Foi um alivio para mim saber o que tinha, pois consigo entender que não sou maluco e que posso conseguir melhorar.

O meu problema no trabalho é conseguir me ocupar nos momentos de ócio. Explico melhor: estou em posição de chefia e não tenho atividades rotineiras, durante o mês tenho um período de atividade constante e isso me deixa bem pois me sinto produtivo. Contudo tem outro período no mês que existem poucas atividades para mim e isso me deixa muito mal pois me sinto improdutivo enquanto o resto da equipe que tem atividades rotineiras continua seu trabalho.

A confusão é muito grande na minha cabeça nesses momentos e não consigo pensar no que posso fazer para me ocupar nesses momentos pois eu sei que existem coisas que posso desenvolver e me ocupar. Minha cabeça chega a doer e vem uma sensação de desrealização.

A minha pergunta é: é normal ter períodos ociosos no trabalho? o que vocês fazem nesses períodos?

Abraços,

Mister S

Wally disse...

Boa noite Mister S
Publiquei seu comentário, juntamente com minha resposta em uma nova postagem:

http://vidadeumaborderline.blogspot.com.br/2012/08/ocio-borderline.html

Abraços

Postar um comentário

Visitas Recentes

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...